segunda-feira, 30 de maio de 2011

EXTRA, EXTRA, EXTRA... COMEÇOU A OBRA


Segunda-feira, 30 de maio de 2011, às Oito horas e quatorze minutos. Essa é mais uma data que vai para o memorial do Corinthians. Foram exatamente 276 dias desde a data do anuncio do projeto “Fielzão”.

Mas nessa manhã o sonho corintiano foi interrompido pelo barulho dos três caminhões e três tratores que iniciaram os trabalhos de terraplanagem no terreno de 197 metros quadrados.

Antes de qualquer inicio de atividade o gerente de operações da Odebrecht reuniu os operários para pedir a ajuda divina, rezaram um Pai Nosso e foram lembrados da importância de cada um naquele projeto.

Agora pelo jeito é para valer! Não tirem a Copa dos paulistas e paulistanos tem um “novo” estádio subindo na cidade.

O São Paulo Futebol clube perdeu uma grande oportunidade de ter seu estádio (que em minha opinião seria o mais indicado) na abertura da copa por conta de sua prepotência e arrogância no tratamento as entidades gestoras do futebol.

O projeto palmeirense não atende as exigências da FIFA para a abertura do grande espetáculo do futebol Mundial, por isso nem foram citados com veemência, houveram alguns rumores, mas nada serio.

Mas como o Sr. Andrés Sanches é um ótimo político e plantou um ótimo relacionamento com os mandatários do futebol, colocou o Estádio do Corinthians na rota da Copa do Mundo de 2014.

O estádio ainda nem existe e já teve que ser ampliado para receber a Copa do Mundo. Por enquanto não há noticias que os cofres públicos serão abertos para essa finalidade, vamos aguardar para ver se isso procede.

Agora teremos mais três meses de ladainhas por conta de redução de custos na construção. Jornais publicarão matérias dizendo que o estádio corre o risco de não ter sua construção finalizada ou que não entraram em acordo e vão cancelar.

Isso é se não aparecer noticia dizendo que: a Petrobrás não autorizou o desvio dos dutos que estão no terreno e a terraplanagem pode ser interrompida nas próximas horas.

Ou seja, nos próximos meses a venda de jornais, audiência televisiva e acessos a sites de noticias estarão entregues ao “não cumprimento” dos projetos corintiano em relação ao estádio.

Mas hoje os ares foram alterados em relação a noticia do Estádio do Corinthians:

globo.com: Mãos à Obra: Estádio do Corinthians, enfim, começa a sair do papel. Maquinas foram ligadas às 08h14 de hoje.

eband.com.br: Obra do novo estádio do Corinthians é iniciada.

bol.com.br: Após imbróglio, obras no Itaquerão começaram nessa segunda.

uol.com.br: Com terraplanagem, obras são iniciadas em estádio corintiano.

domingo, 29 de maio de 2011

BRASILEIRÃO: PALMEIRAS EMPATA COM O CRUZEIRO

Palmeiras entrou em campo com sua camisa número três para encarar o Cruzeiro que vinha de uma derrota diante do Figueirense na primeira rodada. O Verdão venceu seu primeiro compromisso diante do Botafogo, também na primeira rodada.

Jogando mais uma vez sem um atacante de oficio, o Verdão não fez uma grande partida, já o time mineiro contava com a presença de três homens no ataque. Tudo isso por conta da derrota sofrida diante do Figueira. Palmeiras e Cruzeiro sobem ao gramado sob uma mistura de sentimentos por parte da torcida local. Os torcedores vaiaram a equipe por conta da eliminação da Libertadores e do último resultado, mas o curioso foi o tratamento dirigido ao atacante Kleber do Palmeiras. Aplausos!

"Mal começará o jogo na Arena do Jacaré e em Araraquara o Corinthians, que estreava seu uniforme número três, marcava seu primeiro gol contra o Coritiba. Paulinho marcou".

O Cruzeiro imprimia uma forte marcação e com os três atacantes pressionando a saída de bola, o Palmeiras demorou a engrenar na partida e aos sete minutos passou por um susto danado. Wallyson bate da entrada da grande área, Marcos só olha e conta com a sorte, a bola explode na trave. Que susto!

Depois desse susto o Palmeiras equilibrou as ações de meio campo, mas as duas equipes não arriscavam e não construíam oportunidades para que chegassem ao gol. 

Sem que as equipes conseguissem penetrar na área, contavam com cobranças de faltas e escanteios, mas não surtiam efeito e em chutes de fora da área, também sem perigo. Pelo fato de jogar em casa e pressionado pela torcida, o Cruzeiro era o time que mais arriscava, sem perigo, mas arriscava. 

Montillo um dos jogadores do time mineiro que mais era acionado e aos vinte e oito minutos em bela jogada, rola para Gilberto que chuta e vê Marcos praticar bela defesa. 

Pelo lado verde o que mais aparecia era Marcos Assunção, ora para cobrar escanteios e ora em chutes de fora da área. Como a bola não chegava ao ataque, Kleber era obrigado a voltar ao meio campo e buscar a bola, com isso a chance de chegar perto do gol de Fábio era mínima.

Sem mais chances de criação, o melhor a fazer é ir para os vestiários e tentar modificar para o segundo tempo. 

Felipão estava satisfeito com o que seu time apresentou e não mudou, mas o técnico celeste quebrou a Cuca e tirou Brandão e promoveu a estreia de Anselmo Ramon, que veio do Oeste de Itápolis. Entrou para se tornar o nome do jogo, isso por que proporcionou os dois lances capitais da partida. 

O segundo tempo começa e como no futebol brasileiro as coisas são amarradas com muitas faltas, menos de dois minutos e o Palmeiras já tem uma falta a seu favor. Quem assistiu ao jogo entre Barça e Manchester sente uma diferença enorme, pois o número de faltas é muito menor o que deixa uma partida muito mais emocionante. Mas vamos voltar para o Brasil.

Marcos Assunção, o "mister bola parada", vai para a rainha do espetáculo e coloca na área, mas Marquinhos tira o perigo. 

Lembra-se de Anselmo Ramon? Então! Não disse que viria a ser o nome do jogo? Essa marca começou no rebote do lance anterior. Em bola dividida na defesa, Wallyson rouba a bola e quando Marcos saiu, tocou para o estreante, que domina muito, mas muito mal e perde uma chance incrível de marcar o primeiro gol. A torcida que estava atrás do gol, pulou e "junto comigo" gritou gol. Esse lance vai ficar gravado no arquivo do "SEM NOÇÃO FUTEBOL CLUBE", aguardem.

Wallyson e Montillo continuavam sendo os nomes do Cruzeiro, em dois minutos fizeram uma grande correria na defesa palmeirense, numa delas, obrigou Marcos a sair do gol e afastar com os pés. O time mineiro passa a acionar mais o atacante Anselmo, mas a defesa palmeirense consegue afastar e impedir que a bola chegasse aos seus pés.

O Cruzeiro tinha mais volume de jogo, mas o Palmeiras não ficava atrás e proporcionou um belo duelo, com uma partida muito corrida e bem movimentada. 

No minuto de número onze, Luan mostrou que poderia levar perigo ao gol de Fábio, em bolas chutadas de fora da área. Tenta a primeira vez, a bola passa por cima da meta da equipe celeste.

Luan, do campo de ataque viu aos treze minutos, o goleirão Marcos praticar uma sequencia de três defesas e não permitir que o Cruzeiro chegasse ao primeiro gol. Ao termino do bate rebate, a bola sobra para Montillo, que tenta encobrir, mas Marcos pratica mais uma grande defesa. O perigo sofrido pelo Palmeiras, acendeu o alerta dos jogadores e quando a bola sobrou para Marcos Assunção, o volante deu um belo passe para Luan.

O atacante nem domina a "gorduchinha" e acerta um lindo chute de primeira, na diagonal que vai “no ângulo” contrario de Fábio. O goleirão se esticou todo, mas não adiantou. GOLAÇO!!!

O Palmeiras vencia e aumentava a crise azul. O time de Cuca era melhor na partida, mas vacilou no contra ataque e sofreu o duro golpe. Felipão no banco vibrou, pois conseguiu passar pela defesa adversária com uma jogada que é característica deles. "Eles fazem exatamente assim, eu fiz e deu certo" - vibrou e declarou no banco de reservas após o gol.

Já o técnico cruzeirense ficou com a “Cuca quente” e começou a se movimentar no banco para reverter àquela situação, que caia entre nós, péssima situação após eliminação. Thiago Ribeiro estava sumido no jogo, em seu lugar o comandante coloca o ex-palmeirense, Ortigoza, tentando dar mais mobilidade no ataque. A intensão era ter um homem vindo de trás com mais folego e pegar a defesa de frente.

O jogo aparentava que ia esquentar, em menos de três minutos, desentendimentos e cartões amarelos para Thiago Ribeiro, antes da substituição, Luan e Gil foram advertidos.

Com a entrada de Ortigoza, o Cruzeiro passa a levar mais perigo ao gol de Marcos. Em um desses lances de perigo, o atacante tenta encobrir o grande amigo, mas a bola passa por cima do gol. O gol de empate estava amadurecendo. O jogo estava bem mais movimentado após o gol de Luan.

"Em Araraquara o Coritiba chegava, em lance duvidoso, ao gol de empate diante do Corinthians".

No minuto vinte e oito, enquanto os palmeirenses comemoravam contra o Corinthians, Montillo cobra escanteio da esquerda, no primeiro "pau", Gil desvia e encobre Marcos. A bola sobra para Anselmo Ramon, que dessa vez não perdoa e marca o gol de empate e de sua redenção diante da torcida cruzeirense.

"Os cruzeirenses comemoravam o empate e em Araraquara o Corinthians marcava seu segundo gol com Danilo e decretava a vitória por 2 a 1 sobre o Coritiba".

Ortigoza continuou dando trabalho aos defensores palmeirenses, mas não foi suficiente para conseguir a virada, Marcos ainda praticou mais uma bela defesa e salvou o Palmeiras do que poderia ser sua terceira derrota no ano.

Um fato muito curioso no final da partida foi a substituição de Kleber por Dinei aos 46' minutos. Por quê? Será que o Kleber cansou e não conseguia jogar três minutos ou será que o relógio de Felipão estava errado?

CONSUMO CONSCIENTE: Busque a certificação


Boa parte dos produtos do dia-a-dia, como móveis, pisos, portas, papéis, lápis, cosméticos, medicamentos, é feita a partir de matérias primas-florestais, seja de madeira ou direto das substâncias das plantas.

A boa notícia para a Mata Atlântica é que quase todos esses itens já podem ser achados com selos verdes que garantem a exploração sustentável dos recursos. O principal deles, o selo FSC, atesta a origem socialmente justa, ambientalmente equilibrada e economicamente viável dos itens.

Há uma extensa lista, em redes como: Leroy Merlin, C&C Casa e Construção, Tok Stok, livrarias e papelarias. Saiba mais nas “Páginas Verdes - Guia de Compras de Produtos Certificados FSC” no site www.fsc.org.br

Compra Consciente

Um consumidor consciente busca saber o que, quanto e de que empresa consome, pois todo ato de compra traz impactos negativos e/ou positivos para o ambiente.

Além do interesse pessoal, cada consumidor exerce uma responsabilidade social quando faz compras, avaliando materiais e energia usados na produção, questionando emissões de gás carbônico, poluição de rios pela indústria, etc.

Consumo consciente significa também se preocupar com o ciclo de vida de um produto, até seu descarte final. Nem sempre é complicado: opte por vidro ao invés de PET, consuma frutas e verduras da estação, prefira embalagens reutilizáveis, entre outras atitudes.

Veja o Catálogo de Produtos e Serviços Sustentáveis, desenvolvido pelo Centro de Estudos em sustentabilidade, da Fundação Getúlio Vargas, no http://www.catalogosustentavel.com.br

Fonte: WWF Brasil

sexta-feira, 27 de maio de 2011

EM TOM DE PALPITE: 2ª RODADA BRA-11

Nesse sábado será realizada a segunda rodada do BRA-11 e o Tom de Bola lança os seus palpites. Confira, deixe um comentário com os seus e vamos ver quem mais acerta.
RESULTADOS DA 2ª RODADA
Botafogo 1 x 0 Santos
Internacional 0 x 1 Ceará
Avaí 1 x 3 Atlético - MG
São Paulo 1 x 0 Figueirense
Corinthians 2 x 1 Coritiba
Bahia 3 x 3 Flamengo
Atlético - PR 0 x 1 Grêmio
Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras
Vasco 3 x 0 América - MG
Atlético - GO 0 x 1 Fluminense

quinta-feira, 26 de maio de 2011

COPA DO BRASIL: TREM BALA DA COLINA ATROPELA O AVAÍ

Na tribuna de honra estava um dos maiores ídolos do Brasil e torcedor ilustre do Avaí. O ex-tenista Guga estava na torcida e contava com o cumprimento da palavra do Willian que disse após o empate em São Januário que ia “atropelar o Vasco na Ressacada.”

Mas não contava que o Trem ia passar antes da hora e não estaria desgovernado, mas estava sendo direcionados pelo maquinista Felipe, com o ótimo motorzinho Eder Luis e um bom combustível Diego Souza que colocou fogo na partida. 


Antes da hora por que logo aos três de jogo, o maquinista Felipe assume a responsabilidade de cobrar a falta. Na cobrança conta com a ajuda de Revson que desvia de cabeça e joga contra o próprio patrimônio.

Contra o São Paulo foi Everson quem fez as honrarias e marcou contra.

Com o gol logo aos três minutos, o bem montado time do Avaí fica desnorteado e passa a errar muitos passes. O time perdido em campo e Silas sem opção para mudar a atitude de seus atletas. Sem exceção, todos os jogadores queriam se livra da bola o quanto antes, parecia que a bola pegava fogo.

Não havia momento que desse a entender que o Avaí fosse mudar a história do jogo. Era passes e mais passes errados, bolas e mais bolas perdidas.

Diego Souza pelo lado vascaíno, dava muito trabalho para a defesa do time da casa, fosse em pé ou deitado. Fez uma partida muito boa tecnicamente e funcionalmente, mas qualquer esbarrão nele era sinônimo de queda, ou seja, foi também o cai-cai do jogo.

Passado um pouco do susto, o Avaí começou a tocar melhor a bola e ter um pouco de domínio da partida. Domínio infértil que não resultava em possibilidade de gol, salva exceção a uma bela troca de passes que resultou em um chute na trave. E foi só!

O grande Renan salvava o Avaí em cada investida pela direita do ataque vascaíno. Duas bolas chutadas em direção ao seu gol pensei que não haveria possibilidade da defesa. Mas o excelente arqueiro praticou belas defesas e contou com a sorte.

Mesmo com a saída de um volante e a entrada de Rafael Coelho, atacante, não resolveu.

Juro que minha torcida era para que a tristeza de Guga fosse substituída pela alegria da virada, mas...

Da maneira que jogava Diego Souza, minha torcida e esperança mudaram de lado. Pois passei a acreditar em mais gols para o lado Cruz-maltino e estava cada vez mais próximo.

E não demorou muito para sair o gol. Em mais uma bela troca de passes pela esquerda, Diego Souza recebe livre entre os zagueiros e diante do goleirão Renan só deu uma “cavadinha” para vencê-lo. Antes que a bola balançasse as redes, tinha que ter sua marca registrada, mais uma “queda”, mas dessa vez se levantou muito rapidamente para comemorar.

Na volta para o segundo tempo o Vasco não se deixou levar pela vantagem alcançada no primeiro tempo. Não deu campo para os Catarinenses e continuou dando trabalho aos donos da casa.


Mesmo quando não tinha a bola o domínio era evidente. Dedé foi o grande cão de guarda e não permitiu as investidas. O dia, a noite era realmente dos vascaínos e não teve jeito.

A luta por algum alento para os catarinenses eram muito grande, mas dessa vez não deu!

Ao som de “olé” o Avaí deu adeus a Copa do Brasil.

O Vasco manteve sua longa invencibilidade de 17 jogos.

Ainda tive tempo de ver uma jogada plástica de Diego Souza que abusou dando um chapéu no defensor “Avaiano”.

Agora o Vasco vai encarar o Coritiba na decisão da Copa do Brasil.

terça-feira, 24 de maio de 2011

O MANTO DO DESAGRADO!

Nessa segunda-feira (23), foram divulgadas (de forma não oficial) as primeiras imagens do novo uniforme número três do Corinthians. A camisa é uma homenagem ao time do Torino, que no ano de 1949 sofreu um acidente aéreo e toda a delegação foi a óbito. A cor grená é muito bonita, transmite força e foge do convencional branco e preto.

Esse pelo que me lembro é o quarto uniforme intitulado de terceiro. A primeira veio em 2008 e utilizava o roxo para simbolizar o grande amor da torcida ao clube, ou seja, o corintiano é o verdadeiro “torcedor roxo”.

Apesar de ter sido escolhido pelos torcedores para ser utilizado na partida contra o Brasiliense em 16 de setembro de 2008 em partida valida pelo Brasileiro serie B. Não foi bem visto aos olhos dos corintianos mais antigos e “menos fashion”, com a alegação de que “Preto e Branco” é tradição.

No ano seguinte veio a camisa listrada (listras largas) em roxo e preto, bem parecida com a da Internazionale de Milão. Creio que essa deu menos problemas e a aceitação foi um pouco maior.

No ano do centenário o departamento de marketing lança, não uma, mas duas camisas. A primeira em uma homenagem (discreta e imperceptível) ao santo padroeiro do clube, São Jorge. O Uniforme recebeu uma cruz de “fora a fora” na parte da frente em roxo com um detalhe em dourado.

O outro fazendo uma alusão ao primeiro ao primeiro uniforme usado em 1910 e comemorando os 100 anos de existência. A camisa era em tons de bege e o escudo igual ao da época.

Agora a versão 2011 utilizada a proposta de homenagear o padroeiro do clube.

Mas acredito que o departamento de marketing não está se preocupando em agradar a todos os tipos de torcedor ou não se lembra que no Brasil há uma grande mistura de religiões. Por que digo isso?

Vamos analisar:

O Evangelho no Brasil com o surgimento das Igrejas Neopentecostais em 1970, sofreu uma grande reformulação em seus dogmas e doutrinas. E com isso hoje é muito comum encontrar fiéis (adeptos ao evangelho) utilizando camisas de times de futebol e garantindo sua presença em estádios de futebol.

Os evangélicos não têm o costume de adorar ou ser devoto de algum tipo de santo, diferente dos católicos que são adeptos a essa pratica de culto.

Sendo assim, venda da nova camisa ao público evangélico “poderá ser zero” e isso é um forte impacto.

Mesmo que o clube tenha como padroeiro o São Jorge, tem que ser levado em consideração a diversidade de religiões no país. Com essa falta de atenção, não é só o clube que perde uma boa fatia dos consumidores, mas o consumidor que não é adepto a essa devoção.

Das últimas camisas intitulada três, em minha opinião é a mais bonita, mas não se juntará às outras que possuo em meu guarda roupa. 

domingo, 22 de maio de 2011

BRASILEIRÃO: LIÉDSON VOLTA A MARCAR E O CORINTHIANS A VENCER


Corinthians vai a Porto Alegre, sai perdendo em pênalti polêmico sobre Leandro, mas consegue a virada sobre o Grêmio. Liédson sofre o pênalti, que resultou no gol de Chicão e no empate e marcou o gol que garantiu a vitória.


Confesso que não me passou pela mente um possível vitória corintiana nessa tarde de domingo. Time vinha de uma derrota e a perda do título paulista para o Santos. Continua sofrendo com a falta de um homem na criação, chegou o Alex, mas a diretória luta para conseguir a antecipação da janela de transferência para poder fazer a inscrição do jogador no BRA-11.

Enquanto isso não acontece o técnico Tite vive um dilema, pois conta com apenas dois jogadores para essa posição, mas não estão rendendo o esperado. Morais seguia sendo utilizado, mas perdeu espaço para o antigo dono da posição Bruno Cesar. Que foi utilizado nos últimos jogos do Paulista, mas não será mais utilizado, pois foi negociado. Danilo segue em baixa e com a desconfiança da torcida.

Com a escassez na posição, vai o baixinho Morais, que iniciou a partida como titular, no banco ficou o "maestro" Danilo.

O Grêmio tinha em campo o grande maestro Douglas que já regeu em bons tempos a equipe corintiana. 

A equipe gremista começou a partida marcando em cima e não permitia que os corintianos passassem o meio de campo. Com essa forte marcação forçava o erro e apostava no contra ataque.  Mas não conseguia encaixar nenhum ataque, acabava congestionando o meio campo e deixou um jogo amarrado.

Tanto é que a única jogada mais aguda só aconteceu no minuto de número 19 em cobrança de escanteio de Douglas para o Grêmio. Em uma bela batida na bola, quase consegue marcar um gol olímpico no estádio Olímpico. Mas Julio Cesar faz boa defesa.

O Grêmio tinha total domínio da partida, isso era notório no percentual de posse de bola: 57% para o Grêmio contra 43% do Corinthians.

O Corinthians só conseguiu chegar com algum perigo ao gol do Grêmio aos 31 minutos, numa batida de Liédson que passou por cima.

O segundo tempo começa com muitos erros de passes para os dois lados, não havia uma jogada mais aguda ou que levasse perigo ao gol de ambos os times. Com o número excessivo de passes errados, fez com que Tite optasse por colocar Danilo no lugar de Morais.

Mas a alteração é posta a prova quando o arbitro marca um pênalti polêmico de Castan sobre Leandro. Na cobrança, o maestro Douglas coloca a bola no canto oposto ao que Julio Cesar escolheu. Gol do Grêmio!

O gol mexeu com os corintianos que responderam com Ramírez. Em bela jogada pela esquerda e chuta cruzado. A bola já havia passado pelo arqueiro do Grêmio, mas Neuton salva de cabeça em cima da linha.

Ainda sobre o efeito da “ira” por conta do pênalti, os corintianos reclamavam a cada lance.

Mas aos 19 minutos, Liédson invade a área pela direita, tenta uma jogada elástica sobre Lucio e é derrubado. Pênalti!

Chicão vai para a cobrança e como estão bem treinados, pois treinaram bastantes cobranças de pênaltis para uma possível decisão contra o Santos. Então vai para a bola, coloca no mesmo canto que Victor escolheu e marca o gol de empate.

"O Timão empatava o jogo e em São José do Rio Preto, Kleber marcava um golaço e colocava o Palmeiras em vantagem sobre o Botafogo."

Com o empate o Corinthians passou a dominar a partida e obriga o técnico Renato Gaúcho a se mexer no banco. Que então tira Viçosa e coloca Lins, tentando prender mais a bola no ataque. 

Mas no minuto seguinte ao da alteração, um banho de água fria nos donos da casa. Em cobrança de lateral pela direita, a bola sobra para o meio da área e encontra Liédson atrás da zaga, que emenda com um belo voleio. É o gol da virada e da confiança.

Liédson saia da área e passou a dar mais opção ao ataque corintiano e mesmo com a alteração no time gremista, o Timão dominava a partida e não dava oportunidade para o Grêmio reagir.

Antes do apito final, o Grêmio consegue assustar a torcida corintiana. Em cobrança de escanteio, a zaga tira e no rebote, Escudeiro emenda, mas a bola passa por cima do gol.

Passado o susto, a torcida volta a cantar e comemorar a vitória corintiana.

Diferente dos demais jogos em que o técnico Tite demorou a fazer a alteração. Hoje, fez alteração no momento certo. Os gremistas atribuem a derrota aos muitos erros do time.

Desde que Liédson retornou, se marcou, o Corinthians ganhou.

CONSUMO CONSCIENTE: A conta que não fecha

O Tom de Bola abrirá um espaço para a conscientização sobre sustentabilidade, meio ambiente, entre outros assuntos relacionados a melhorias em nosso planeta. Toda semana será publicada uma postagem referente a esse assunto. 

Vamos iniciar esse espaço com um texto sobre o uso de sacolinhas plásticas. Assunto muito falado durante essa semana.

O uso das sacolinhas de plástico distribuídas pelo comércio já viraram um hábito cotidiano, daqueles que a gente não discute ou pensa a respeito – como jogar, na rua, pontas de cigarros, chicletes mascados, embalagens de doce. Tão inofensivo, não?

Pois é aí que mora o perigo. As tais sacolinhas, embora algo confortáveis, estão longe de ser inofensivas. Propomos, então, ver o problema, também, por outra perspectiva:

Você já pensou que a própria produção de plástico tem uma enorme pegada ambiental? Sim! Ela utiliza água, energia elétrica, petróleo e ainda libera, em sua fabricação, CFC (Clorofluorcarbono) – um gás que destrói a camada de ozônio. E tudo isto para acabar nos lixões, nos bueiros, no ambiente natural. Tem sentido, uma coisa destas?

Olhe em sua volta: tudo (mas tudo mesmo!) o que você vê é ou foi parte da natureza. Confere? É óbvio! Nada é produzido a partir de materiais de “outra dimensão”. É daqui mesmo, do nosso planeta, que retiramos tudo aquilo que utilizamos para viver. E o planeta tem um tamanho. Portanto, os recursos têm limites.

Assim, voltamos a perguntar: que sentido há em produzir algo que, além de ser facilmente substituível, será jogado fora, causando outros males além daqueles originados pela sua mera produção?

Acredite: ao usar as tais sacolinhas, estamos contribuindo – sem qualquer necessidade – para aumentar a demanda da humanidade por recursos naturais.

Estamos ajudando a imprimir, sobre o planeta, um rastro – uma pegada ecológica – cada vez maior. E já estamos em débito: a humanidade consome, atualmente, 25% a mais do que o planeta pode repor. Entramos no “cheque especial”, os juros são altos e serão pagos pelos nossos filhos e netos.

E, de volta ao início, que tal revermos nossos hábitos cotidianos mais arraigados e aparentemente inofensivos, olhando pela perspectiva do planeta, dos recursos naturais? Vale a pena. Precisamos amortizar nossa conta.


Fonte: WWF Brasil 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

BRASILEIRÃO 2011: OS MELHORES ESTÃO AQUI

A fase de testes chegou ao final. Todos os times envolvidos na edição do Brasileirão já passaram por seus campeonatos regionais. A maioria dos clubes conquistou o título, outros ficaram pelo meio do caminho, uns ainda disputarão torneios em paralelo e outros dependem desse título para fechar o ano com pelo menos uma conquista. 

Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo serão os Estados representados pelos vinte clubes presentes no Brasileirão. Disputado em formato de pontos corridos,  considerados por muitos como a forma mais justa de decidir um campeonato e outros acham que é uma forma "chata" e sem graça.

Quem defende o formato, garante que é a melhor forma, pois premia o clube que mais somar pontos e não dá chances a um possível azarão. Já os que preferem, como eu, o sistema com fases "mata-mata", dando mais emoção e trazendo mais publico as arquibancadas. No sistema pontos corridos, caso o campeão seja conhecido com antecedência, os torcedores dos demais clubes não se fazem mais presentes nos estádios.  

Mas essa questão de preferência de sistema de disputa é uma questão de gosto. 

Nos últimos dois anos (2009 - 10) tiveram disputas empolgantes e de tirar o folego, verdadeiros testes para cardíaco. Em 2009, o grande beneficiado por essas disputas foi o Flamengo, que conquistou o seu "sexto" título e quebrou a sequencia São Paulina, que vinha da conquista dos três campeonatos anteriores (2006 - 07 - 08). 

Não foi diferente no ano seguinte. Mais uma vez os cariocas foram beneficiados, mas dessa vez foi o Fluminense. Torneio chegou a sua última rodada com nada mais nada menos que três times com chances reais de vencer. Corinthians, Cruzeiro e Fluminense travaram uma verdadeira guerra em três campos diferentes.

O Corinthians foi até o Serra Dourada encarar o rebaixado Goiás, precisava vencer e torcer, torcer muito contra seus rivais. Empatou e terminou em terceiro.

O Cruzeiro recebeu o Palmeiras, que foi a campo para perder e tirar o Corinthians da disputa. Venceu e terminou em segundo lugar.

O Fluminense recebeu em seus domínios o também rebaixado Guarani e com a vitória garantiu o seu terceiro título Brasileiro. Conca, Fred e o rei do Brasileirão, Senhor Murici Ramalho, levantaram o caneco.

CLÁSSICO REGIONAL SÓ NO FIM

Pelo segundo ano consecutivo tivemos clubes que preferiram a derrota a ver seu rival campeão. Em 2009, o Corinthians deixou de jogar perante o Flamengo para não ver o São Paulo ser campeão pela quarta vez consecutiva. Em uma partida onde os jogadores, principalmente o flamenguista Felipe, foram acusados de favorecimento ao time carioca para prejudicar o Tricolor Paulista.

No ano seguinte foi à vez do troco. Sem chances de título para São Paulo e Palmeiras foram acusados de favorecimento e "corpo mole" nas partidas contra Cruzeiro e Fluminense para não deixar o Timão ser campeão.

Diante disso a CBF acatou sugestão encabeçada por Mano Menezes e apoiada por vários outros técnicos, para que os chamados "clássicos entre rivais" fossem realizados nas últimas rodadas, evitando assim o chamado corpo mole. 

Sendo assim, clássico só nas 19ª e 38ª rodadas:
CORINTHIANS x PALMEIRAS – Clássico Paulista
SANTOS x SÃO PAULO – Clássico Paulista
FLAMENGO x VASCO – Clássico Carioca
BOTAFOGO x FLUMINENSE – Clássico Carioca
GRÊMIO x INTERNACIONAL – Clássico Gaúcho
CORITIBA x ATLÉTICO – PR – Clássico Paranaense
CRUZEIRO x ATLÉTICO – MG – Clássico Mineiro
AVAÍ x FIGUEIRENSE – Clássico Catarinense

SÓ OS MELHORES

São os quatro melhores de São Paulo e Rio de Janeiro. Os três melhores de Minas Gerais também estarão presentes. Os dois gigantes do Rio Grande do Sul e do Paraná serão grandes atrações, principalmente o supercampeão Coritiba. Os maiores em tradição de Santa Catarina e grande Bahia não ficarão de fora. E não podemos esquecer o vovô Ceará.

Colocando tradição, conquistas e situação atual não poderiam ser outros protagonistas para esse grande evento nacional. Clássicos regionais e nacionais de deixar qualquer apaixonado por futebol alucinado. 

Sem contar que esse ano é ano de Copa América e todos os jogadores querem uma vaga nessa seleção que vai a Argentina. Neymar, Ganso e Leandro Damião são as promessas de grandes espetáculos para essa edição, com eles em campo não tem placar em branco.

Grandes jogadores, promessas e realidades estarão mesclando os gramados do Rio Grande do Sul ao Ceará.

Esse ano promete!

EM TOM DE PALPITE BRA-11

O Tom de Palpite volta com força máxima, pois agora a coisa é em âmbito nacional. Confira meus palpites, deixe um comentário com os seus palpites e vamos ver que mais acerta!

Aproveite e responda nossa enquete: Quem será Campeão Brasileiro 2011?


RESULTADOS DA 1ª RODADA
Flamengo 4 x 0 Avaí
Ceará 1 x 3 Vasco
Atlético - MG 3 x 0 Atlético - PR
Santos 1 x 1 Internacional
Palmeiras 1 x 0 Botafogo
Grêmio 1 x 2 Corinthians
Coritiba 0 x 1 Atlético - GO
Figueirense 1 x 0 Cruzeiro
Fluminense 0 x 2 São Paulo
América - MG 2 x 1 Bahia

quinta-feira, 19 de maio de 2011

LIBERTADORES: SANTOS CADA VEZ MAIS PRÓXIMO DO TRI

Ainda em clima de comemoração pela conquista do bi campeonato Paulista, o Santos recebeu o Once Caldas, em jogo valido pela quartas de final da Taça Libertadores da América. Precisando apenas de um empate para se classificar para a próxima fase e ficar cada vez mais próximo do Tri Continental.

Mais uma vez Neymar foi o nome do jogo em todos os aspectos. Jogador decisivo, marcou o gol que garantiu a classificação, fez uma linda jogada que resultou no pênalti, mas na cobrança fez o que já vem se repetindo.

O garoto “genial” bateu no canto direito e deu a chance ao goleirão do Once Caldas para fazer bela defesa. Genial, como já disse, com a bola rolando. Com dribles desconcertantes e uma precisão fora do comum, mas quando a bola está parada para a cobrança de pênalti a coisa muda de figura.

Depois que aboliram a paradinha, o garoto parou de marcar nessa situação. Mas isso é detalhe! Cabe ao técnico definir um novo batedor de pênalti e deixa que na bola rolando ele faz a diferença.

Jogo muito disputando e como vinha alertando os apaixonados por futebol sobre o Once Caldas que se trata de um time tinhoso e perigoso. Provou isso contra o Cruzeiro. E contra o Santos não foi diferente, como sempre muito perigoso, chegou a empatar a partida e deu sufoco nos meninos da vila, que seguram o resultado e garantiram a vaga.

Nessa reta final dentre os times classificados e os classificáveis, o Santos é franco favorito. Para a próxima fase creio que vai encarar, pela tradição, o Cerro Porteño.

O time paraguaio se classificou para as quartas de final na disputa de pênaltis após dois empates sem gol com Estudiantes. Nessa quinta-feira receberá em casa os mexicanos do Jaguares. O empate sem gol dá a classificação fica com os mexicanos, mas jogando em casa o time paraguaio leva vantagem e deve vencer o jogo.

Será que agora o Murici ganha a Libertadores?

O Santos agora se prepara para o inicio do BRA-11, nesse sábado receberá na Vila Belmiro o Internacional Campeão Gaúcho.

terça-feira, 17 de maio de 2011

SELEÇÃO DO PAULISTA 2011

Na noite de segunda-feira a Federação Paulista de Futebol promoveu a grande premiação e elegeu os melhores para cada posição do Campeonato Paulista.

Vendo a lista, perguntei-me sem resposta: 'Qual o critério adotado para que chegassem a essa seleção?' Analisando posição a posição discordei de alguns eleitos e me deu a sensação que os integrantes da mesa julgadora se deixa levar pelos que chegaram a fase de semifinal. Se houvesse dentre os classificados para a penúltima fase da competição um dos times considerados pequenos, não duvido que teríamos nessa lista nomes como, por exemplo, o Xuxa do Mirassol, Anselmo Ramon e Fabio Santos, ambos do Oeste.

Por que não colocaram o nome de Dagoberto, será que Kleber foi melhor que ele? Ou será que foi o fato de o São Paulo não estar entre os finalistas e o KLeber estar chamando mais a atenção da mídia com algumas declarações? 

Será que os críticos levam em conta a simpatia, interatividade e tempo de casa para eleger os melhores?

A eleição de Rogério Ceni, tudo bem que o cara é ídolo e marcou seu centésimo gol em uma partida do Paulistão, mas o melhor goleiro dessa edição não foi ele. Será que os frangos de Julio Cesar e Rafael na última partida não foram decisivos para tira-los da lista. Em varias partidas que vi Julio Cesar atuar, observei grandes atuações que o colocaria com a melhor opção. Diante do Palmeiras, por duas vezes, salvou e em uma dessas oportunidades, garantiu a vitória. Mas sou suspeito a falar de jogadores do time do coração.

Por falta de opção na lateral direita, vai o Cicinho mesmo. Que fique entre nós, mas o futebol brasileiro não tem mais lateral direito como antigamente. Jorginho, Cafu, Wladimir, Djalma Santos, entre tantos outros.

Mas o que mais me deixou intrigado foi a eleição do técnico para comandar essa seleção: Felipão. Por quê? Qual o critério? Será que foi pela história? 

O que leva um técnico ser considerado melhor em relação aos outros? 

Acredito que o desempenho do time ou a posição que terminasse na fase de classificação fosse levado em consideração. Caso seja por regularidade, o técnico Paulo Cesar Carpegiani foi mais regular, tanto é que se classificou em primeiro. Foi o que mais marcou pontos, teve o segundo melhor ataque e da mesma forma que o técnico palmeirense não passou das semifinais. 

Mas é aquilo, futebol e ponto de vista!!

domingo, 15 de maio de 2011

SANTOS BICAMPEÃO PAULISTA 2010 - 2011

O palco estava armado na Vila Belmiro e não tinha lugar mais propício. As estrelas necessárias para que o "show" fosse iniciado entram em campo. Santos e Corinthians iniciam a partida e não havia vantagem numérica para nenhum dos lados, caso a partida terminasse com empate, teríamos penalidades máximas.

Mas o Santos tinha em campo não apenas 11 jogadores, e sim, 10 jogadores regidos por um maestro que atende pelo nome de Neymar. E Neymar mais dez tinham no banco um professor que modificou a maneira desse time jogar. Time antes contestado em seu setor defensivo, mas que a cada dia que passa se torna a melhor defesa do país. Nos últimos cinco jogos não havia sofrido nenhum gol, sofreu no momento que poderia sofrer e não se comprometer.

Bastava Neymar pegar na bola e vinha a mente a sensação que uma boa jogada ia acontecer, um passe, um drible e a finalização sempre trazia perigo ao gol de Julio Cesar. 

Neymar jogava por dois, pois o seu grande amigo estava fora, não pode participar da festa dentro de campo por conta de uma contusão. O garoto corria de um lado para o outro do campo e deixava a defesa do Timão atordoada, sem ação, procurando encontra-lo para desarmar. Mas temos que admitir, é difícil parar o moleque.

Enquanto todos se preocupavam com a movimentação de Neymar, se esqueciam de Zé Love, que deu trabalho a defesa do Timão. Ora pela direita, ora pela esquerda, mas raramente dentro da área, estranho para um jogador que veste a nove. Mas isso é detalhe!

No minuto de número 16 do primeiro tempo, Léo acha Zé Eduardo passando por entre os zagueiros pela esquerda. O atacante vai a linha de fundo, não sei se foi um cruzamento, mas a bola encontra Arouca na frente de Leandro Castan, que só desvia e marca o seu primeiro gol com a camisa do Santos. 

O Santos jogava muito mais, o Corinthians era mero coadjuvação e não dava nenhum indicio que ia atrapalhar a festa armada para o time praiano. Faltava tecnica, vontade e perna para correr atrás dos "cansados" meninos da vila. Ouvi tanto dizerem que o Corinthians tinha vantagem por estar mais descansados que o time santista. Por alguns minutos pensei que quem disputava a Libertadores e tinha voltado de uma viagem da Colômbia era o Corinthians. Apenas sonho!

O Santos teve mais oportunidades para acabar com o jogo logo no primeiro tempo. Se não fosse a trave a o preciosismo de Neymar, talvez, o Corinthians fosse para o intervalo já confirmado vice campeão. Mas tinha que ter drama e tudo ficou para o segundo tempo.

No segundo tempo o Santos assumiu outra proposta na partida, passou a descansar, não atacava, esperava o Corinthians e dava uma impressão que a alteração de Tite havia surtido efeito. No intervalo saiu Dentinho e entrou Willian. Mas era só impressão mesmo.

Quando o Santos tinha a bola nos pés, era a maior correria. Neymar continuava dando muito trabalho. 

No décimo quinto minuto de jogo no segundo tempo, o Corinthians levou perigo ao gol de Rafael. Como não conseguia penetrar na defesa santista o jeito foi chutar de fora da área. Willian arriscou e obrigou Rafael a fazer grande defesa, no rebote, ninguém para converte-lo em gol.

O jogo voltou a ficar frio, nada mais acontecia e o Corinthians lutava contra o tempo. O Timão sem criação, sofria. Tite no banco, mais uma vez não sabia o que fazia. Do minuto que o Willian chutou em gol até a substituição foram mais ou menos 6 minutos. Entraram Ramírez e Morais, sairam Paulinho e Bruno Cesar. Nada previsível?

Mas no espetaculo estava faltando alguma coisa. Alguém sabe dizer o que é?  Se alguém pensou em gol de Neymar, acertou.

E no minuto de número 38, em mais uma jogada pela esquerda, leva a marcação e alguns passos depois de passar a linha da grande área chuta. Chuta muito fraco, mas como o show era dele, Julio Cesar ajuda e engole um franco em caldeirão de peixe. Santos 2 a 0. A torcida começa a declarar: É Campeão!!

Mas tinha que ter um pouquinho de drama guardado para o final da partida. Morais cruza com a intenção de encontrar Liédson, mas a bola passa por todos e entra. Santos 2 a 1. 

O corintiano passa a sonhar pelo menos com as cobranças de pênalty, mas como eu já havia dito: o palco estava armado para a festa alvinegra da Vila Belmiro. O arbitro ainda dá mais três minutos de acréscimo, mas não foi suficiente para nenhum tipo de reação.

O Santos se torna Bicampeão Paulista com todos os meritos e agora vai para cima do título Continental.