quinta-feira, 30 de junho de 2011

JULIO CESAR SEGURA E LEVA O TIMÃO A LIDERANÇA

O Corinthians vai ao Estádio Pituaçu, na Bahia, na segunda colocação do Campeonato Brasileiro e volta para São Paulo com a liderança isolada e com um jogo a menos na bagagem.

Não foi um jogo brilhante, mas foi o suficiente para levar o Timão a liderança do Torneio nacional, ultrapassando o Tricolor Paulista que perdeu mais uma em casa.

O primeiro tempo foi uma partida onde o Corinthians impôs seu ritmo de jogo, mas sofria com as investidas baianas pelas laterais, que, quase sempre, a execução dos cruzamentos achava a cabeça de um dos atacantes.

O Timão apostava nas jogadas mais centralizadas e contava com as saídas da área de Liedson, onde não foi muito feliz. Liedson é um ótimo atacante, quando joga dentro da área, mas quando precisa sair para buscar jogo, se torna um jogador comum. E foi o que aconteceu, quando precisou sair da área.

O jogo era muito movimentado, tudo levava a crer que teríamos muitos gols na partida. O Bahia estava muito desfalcado, principalmente, por conta de clausula de contrato, que previa a exclusão de alguns jogadores em caso de confronto.

Que bom! Pensou o corintiano, por que se time baiano estivesse completo, o resultado poderia ser outro.

O número de escanteios era grande para o lado alvinegro e em uma das cobranças, Jorge Henrique quase marca um gol antológico. O goleiro é obrigado a se jogar contra trave e desviar para escanteio. Seria uma obra de arte.

O Corinthians chegou ao seu gol, em um pênalti bem marcado pelo arbitro, que fez boa arbitragem e não comprometeu o resultado da partida. Liedson com muita velocidade disputa a bola com Marcelo Lomba, chega antes e é derrubado. Pênalti.

Na cobrança o segundo maior zagueiro-artilheiro do Timão, o capitão Chicão. Cobra e deixa a massa corintiana com um frio agudo na barriga. Bate devagar e no meio do gol. Marcelo não defende por centímetros, que separam a bola e seu pé. Isso aconteceu aos 13 minutos de jogo.

O substituto de Paulinho, Edenilson, mostrou que será uma sombra muito chata para a disputa de uma vaga no meio campo. Os intocáveis que tomem cuidados, por que o garoto mostrou seu valor. Fez linda jogada pela direita e chutou com muito perigo ao gol tricolor baiano. Além do apoio ao meio e bom toque de bola.

O Bahia começa a se organizar em campo, busca cada vez mais as jogadas de linha de fundo e passa a levar perigo ao gol corintiano. Tite é obrigado a dar uns gritos para ver se a equipe acorda. Acordou e se fechou, impedindo os avanços do tricolor. 

Antes do fim do primeiro tempo, Renê Simões faz uma substituição, pensando em preservar o atleta que de tanto bater em Jorge Henrique levou um amarelo e corria o risco de ser expulso. Por que não deixou o cara? Se todos pensarem assim, teremos que pedir para a FIFA aumentar o número de substituições. Mas cada um com sua filosofia de trabalho.

No início da etapa complementar, o Timão começa imprimindo um volume de jogo maior que no primeiro. Liedson aos cinco minutos, recebe bom passe e na conclusão solta uma bomba para a defesa de Lomba. 

Mas o gás só durou 10 minutos. O Bahia se reorganizou e passou a buscar mais o gol de empate. Que sufoco!

Então se o Bahia pressiona e chuta. Julio Cesar garante a vitória, os três pontos e a liderança. Nesse momento o Timão já era líder, pois o São Paulo perdia por um a zero do Botafogo em pleno Morumbi.

Não foram uma ou duas boas defesas, mas várias grandes defesas, principalmente, nas cobranças de falta. Pela atuação mereceria nota 10, no entanto, sofreu o gol. Calma, calma Fiel Torcida! 

Em cobrança de falta, sai mal para abafar o cruzamento, o atacante se antecipa e marca. Só que todo bom goleiro precisa de sorte e o auxiliar marca o impedimento que invalida o gol. Ufá!!!

Nem a estreia de Alex mudou o ritmo do jogo, o Bahia era todo ataque, mas o Corinthians conseguia se segurar e quando a bola passava pela defesa estava lá o melhor da partida, Julio Cesar.

Então restaram ao Timão esperar o fim do jogo e comemorar as duas vitórias. Uma diante do Bahia e outra do Botafogo sobre o São Paulo, que lhe garantiram a liderança isolada do Torneio com 16 pontos. Detalhe: com um jogo a menos.

terça-feira, 28 de junho de 2011

EM TOM DE PALPITE: 7ª RODADA BRA-11

O campeonato Brasileiro chega a sua sétima rodada, o São Paulo é o líder, mas é acompanhado de perto pelo Corinthians e o Palmeiras vem na sequencia é o trio de ferro Paulista comandando. O Santos passa a ter suas atenções totalmente direcionadas para a competição nessa rodada (se o jogo não for adiado por conta dos desfalques santistas), pois deixou de participar das últimas duas por estar nas finais do torneio Continental. Foi campeão!!!

O Timão vai ao Pituaçu enfrentar o embalado e desfalcado Bahia e não contará apenas com a presença de Paulinho, suspenso por excesso de cartões amarelos. Em seu lugar vem o bom garoto Edenilson. Já os anfitriões vão a campo sem as presenças de Titi (suspenso),  Ávine, Carlos Alberto (lesionados) e Lulinha (pois pertence ao Corinthians e foi colocado no contrato que não pode enfrentar o dono de seus direitos). Ambas equipes vem de ótimas vitórias.

O Tricolor recebe em seus domínios o Botafogo e pretende apagar da memoria dos torcedores o vexame vivido diante de seu algoz, Corinthians. O Fogão vem de vitória sobre o Grêmio e quer continuar embalado. O time Paulista não conta com a presença dos zagueiros Rodolpho e Miranda, ambos lesionados, Wellington e Carlinhos Paraíba estão suspensos, Lucas serve a seleção e Dagoberto foi liberado para não jogar. O Bota não contará com o Loco, Arevalo Rios e Jefferson que servem suas seleções, Marcelo Mattos por suspensão e Cortês que está no departamento médico.

O Santos é um dos mais prejudicados pelas convocações da seleção para a Copa América que terá inicio, para o Brasil, nesse domingo. Disponibilizou seu trio ofensivo, Neymar, Ganso e Elano ficarão fora de combate por um bom tempo, pelo Peixe. Justamente por isso, a diretoria já entrou com pedido para adiar alguns jogos, pois não serão somente esses que estarão fora. Quando acabar a Copa América, espero que com titulo para o Brasil, alguns meninos da vila também servirão a seleção sub 20. Para o jogo contra o Figueira, o Santos vai a campo com um time bem misto. Já o Figueirense não contará com três jogadores por conta de lesões.

O Verdão não terá tanto problema para encarar o Atlético de Goiás, em sua nova casa, o Canindé. A diretoria percebeu que o Estádio traz sorte ao time e passou a mandar seus jogos lá e não mais no Pacaembu. O único desfalque, também por causa da Copa América, é Valdivia que serve a seleção de seu país. O Atlético - GO vai a campo e não poderá contar com Felipe Brisola que está nas mãos dos médicos, por conta de lesão. Ambas equipes vem de derrotas.

Diante de todo esse cenário, o TOM DE BOLA lança seus palpites. Deixe um comentário com os seus e vamos ver quem mais acerta!! Boa sorte!!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

VOLTE SEMPRE!

Corinthians humilha o líder do Campeonato. Com três gols de Liedson, um de Danilo e outro de Jorge Henrique o Timão derrota o São Paulo e quebra 100%.

Valeu a pena esperar duas semanas para ver o Timão entrar em campo. E o adversário não poderia ser outro, tinha que ser o São Paulo. Para apimentar mais o clássico acharam um possível segundo centésimo gol de Rogério Ceni, mas esse seria oficial, pois a FIFA só reconhece 99.

O São Paulo vinha de nada mais, nada menos que cinco vitórias consecutivas, acumulava 100% de aproveitamento e é o líder com quinze pontos. Foi a campo sem quatro de seus titulares, mas isso não é nada para um time com um elenco considerado forte entre os mais entendidos. 

O Corinthians estava descansado, não jogou contra o Santos no final da semana passada, jogava em casa e era tido com franco favorito.  Até mesmo o capitão Chicão declarou que o favoritismo era todo do Corinthians.

O jogo se inicia e vemos que o favoritismo estava mesmo do lado do Timão. Foi para cima e não deixou o São Paulo jogar. Com um time bem compacto, sem deixar nenhum espaço para os garotos do Tricolor tentar qualquer investida ao gol de Julio Cesar.

O Corinthians utilizou muito bem as aproximações dos volantes, Paulinho e Ralf. E foi Paulinho o primeiro a tentar e testar a forma de Rogério. Com um minuto de jogo, em jogada iniciada com toque de calcanhar pela esquerda para Fábio Santos. O lateral cruza, mas a zaga corte e a bola sobra para Paulinho emendar um foguete e obrigar Rogério a praticar ótima defesa. 

Sem duvida nenhuma o Corinthians era melhor no jogo e não dava espaço ao São Paulo. Com toques rapidos, boa partida de Danilo e os avanços de Fábio Santos o São Paulo era dominado. Welder não apoiou muito o ataque, mas na defesa foi fundamental. 

Os atacantes Jorge Henrique, Liedson e Willian fizeram uma partida memorável e azucrinavam a defesa Tricolor. 

No primeiro tempo, o Corinthians finalizou 12 vezes ao gol, enquanto o São Paulo chutou apenas duas vezes em direção a Julio Cesar. O chute mais perigoso, que exigiu boa atuação, foi aos 31 minutos de jogo. Dagoberto sai da marcação e chuta, mas Julio Cesar precisava mostrar que não vai deixar Renan tomar sua posição. Praticou ótima defesa.

Carlinhos Paraíba estava muito nervoso, tentou arrumar confusão com Paulinho, mas foi aos 40, em uma entrada sobre Welder, que lhe rendeu o segundo amarelo e o vermelho. Ouvindo um programada pós-jogo, um comentarista teve a audácia de dizer que o lance não era para amarelo. Se aquele carrinho não foi para amarelo, o que seria?

Se já estava fácil onze contra onze, imagine como ficou para o Corinthians com um homem a mais.

Fim do primeiro tempo e as torcidas não haviam comemorada gol naquela partida, mas se uniram para comemorar duas vezes contra o Palmeiras. O time do Palestra Itália vai para o vestiário do Estádio Presidente Vargas, sendo derrotado por dois a zero pelo Ceará.

Logo de cara no início do segundo tempo, a 1 minuto, Danilo marcou um golaço e abriu a porteira. Com um lindo corte, tirou o zagueiro Bruno Uvini e o goleiro Rogério Ceni da jogada. Com o gol livre, marcou e correu para o abraço. Correu em direção aos reservas e obrigou Renan se levantar e comemorar pela primeira vez um gol do Timão.

Com os espaços maiores por conta da expulsão de Carlinhos, o Corinthians tinha muita facilidade para chegar na intermediária e arriscar contra o gol de Rogério. E foi com um chute de Paulinho que iniciou a jogada para o segundo gol. A bola chutada de fora é desviada e vai para escanteio. Willian cobra, Paulinho cabeceira, Rogério Ceni pratica bela defesa. Mas no rebote, a bola cai no pé de Liedson, que com um toque levezinho marca mais um golaço na partida. Gol digno de um João Sorrisão.

Muito contestado durante a semana, ouvi alguns dizerem que o estoque de gols havia acabado.

Mas o cara continuou marcando e como sempre antes do gol tinha uma tentativa de fora da área por algum dos volantes. Aos 14 minutos, Ralf com muita liberdade, solta um petardo e acerta a trave esquerda de Rogério.

No minuto seguinte, Liedson mais uma vez e agora nada de toque levezinho. Um chute com força para marcar o terceiro e permitir um olé da torcida aos dezessete minutos. Agora só um milagre para os, por enquanto, lideres. Xandão levanta o braço e procura o auxiliar, mas não o encontra, pois ele correu para o meio para assinalar o gol legitimo.

O Corinhians colocava o líder na roda e a torcida ia ao delírio com os olés. 

O Levezinho estava tão bem na partida, que tenta até marca de voleio antes de receber passe de Danilo e aos 34 minutos, marcar o seu terceiro gol e o quarto do Timão. Que festa!! Pede a música ai, Liedson!!

Só que o detalhe mais especial da partida estava reservado para mais tarde, quero dizer, dois minutos após sair o quarto gol. Tudo bem que arrebentou o titulo dessa postagem, pois até esse momento seria: "São Paulo cai de quatro!" Mas Rogério estragou tudo!

Jorge Henrique chuta de fora da grande área e Rogério Ceni engole um frango. Corinthians 5 x 0 São Paulo!!

Não tem 100% e agora não tem centésimo gol de Rogério Ceni. Era melhor ter ficado com aquele, mas quiseram reabrir o assunto!!

Que partida antológica do Corinthians. Na mesma emissora de rádio que ouvi que expulsão de Carlinhos foi injusta, ouvi também: "O Corinthians jogou muito bem, com um toque de bola refinado, parecia até o Barcelona". 

Não chega a tanto, mas que pareceu um treino contra o sub-17, pareceu. Ops, mas com uma diferença, o sub-17 do Corinthians é Bicampeão Mundial de Clubes sobre o Barcelona.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

EM TOM DE PALPITE: 6ª RODADA BRA-11

Estamos aqui mais uma vez com os nossos palpites para a sexta rodada do Brasileirão 2011. Nessa rodada teremos o embate entre Corinthians e São Paulo que pode valer a liderança da competição. O Tricolor é o líder com 100% de aproveitamento, o Corinthians aparece na terceira posição com um jogo a menos. 

Para esse duelo aposto minhas fichas no Timão, pois joga em casa, diante de sua torcida e jogará contra um time desfalcado de Lucas (serve a seleção), Rodrigo Souto e Juan (excesso de cartões amarelos). Joga com todos os seus titulares e conta com a volta do capitão Chicão. Mas como sempre dizem: "Futebol é uma caixinha de surpresa".
Do mesmo modo que na rodada anterior, teremos um jogo a menos, isso por que os meninos da Vila ainda então comemorando o título da Libertadores. Então temos dois jogos a menos nos nossos palpites.

Confira os nossos palpites e deixe um comentário com o seus!

RESULTADOS DA 6ª RODADA
Flamengo 4 x 1 Atlético - MG
Atlético - PR 0 x 2 Bahia
Cruzeiro 2 x 1 Coritiba
Corinthians 5 x 0 São Paulo
Botafogo 2 x 1 Grêmio
Avaí 0 x 1 Fluminense
Ceará 2 x 0 Palmeiras
Internacional 4 x 1 Figueirense
Atlético - GO 0 x 1 Vasco

quinta-feira, 23 de junho de 2011

SANTOS TRICAMPEÃO CONTINENTAL 1962 - 1963 - 2011

A data era 11 de setembro de 1963, ano em que o Santos de Pelé derrubava a torre chamada Boca Juniors e conquistava o seu Bicampeonato continental. Um ano antes contra esse mesmo Peñarol, o Santos também de Pelé conquistava o seu primeiro titulo. 

Foram necessários 17451 dias para que a torcida "Jovem" voltasse a comemorar um titulo da desejada Libertadores da América. Os santistas lotaram e pintaram o Pacaembu de branco, muito barulho e confiança estampada e declarada. A mesma confiança que imperou em 2003, quando era liderado por Robinho e encarou o Boca Juniors. Mas dessa vez a confiança se traduziu em um enorme detalhe: o titulo!

No banco um cara muito contestado em disputas de Libertadores. Muricy Ramalho foi demitido do São Paulo justamente por não conseguir o titulo continental. Deixou o Fluminense, justamente por não fazer boa campanha na competição desse ano. Chegou ao Santos em um dos piores momentos na competição. O time estava em péssima situação na tabela e precisa reagir com urgência. 

Chegou, colocou ordem na casa e foi logo dando o cartão de visita. Conquistou o titulo Paulista!

Na Libertadores, esse "cara" arrumou a casa, colocou a molecada nos eixos e deu ritmo de jogo ao Santos. Mostrando que é o melhor técnico do país, não importa o time que tenha nas mãos. Isso é notório, pois os títulos conquistados pelo São Paulo, Shanguai Shenhua (China), Náutico, Internacional, São Caetano, Fluminense e, agora, Santos falam por ele. É vencedor!

Se com times com menos estrelas, o cara já fez milagre, imagine o que conseguiria com uma equipe que conta com Ganso, Elano, Arouca e, principalmente, Neymar. Podemos dizer que é covardia!

Ganso voltando a campo depois de quarenta e cinco dias se recuperando de uma lesão, foi o maestro desse time. Cada bola que ele pegava, tínhamos a sensação de que poderia sair um bom passe. Jogador que pensa antes de ter a bola em seus pés. Muito inteligente. E tinha pessoas dizendo que não era aconselhável coloca-lo logo como titular. Que isso?

Elano só tem um defeito, esses balões que sempre dá nas partidas, desperdiçando boas jogadas, mas é um líder nato. Diferente de 2003, quando era um menino da vila, hoje é o líder dos meninos da Vila. E hoje sem ter a responsabilidade de armar jogadas, fez uma boa partida.

Arouca dormiu no primeiro tempo, no entanto, acordou cedo no segundo tempo e fez a diferença, deixando Neymar em condições de marcar o primeiro gol.

Neymar... deixa pra lá... não vou ser repetitivo ao menciona-lo... vocês já sabem o que penso sobre o garoto..

UM POUCO DO JOGO...

Não adiantou o Peñarol pressionar, bater e catimbar. 

O jogo começou muito pegado. Cada pedaço de gramado era disputado com unhas e escamas. Em dois lances do primeiro tempo, caberia um vermelho para cada lado. Mas o juizão preferiu administrar a partida e não apresentou nenhum cartão, mas poderia tira-lo do bolso.

O primeiro tempo foi marcado por muitos erros de passes do Santos e o time uruguaio despachando a bola com balões para o campo de ataque. Chance real de gol, apenas um para o lado alvinegro, em bola chutada da entrada da grande área por Léo, aos 43 minutos de jogo.

O segundo tempo o Santos acorda e logo de cara faz o gol que daria tranquilidade para trabalhar o resto da partida. Ganso, com sua genialidade, dá um bonito toque de letra para Arouca. O volante, que dormiu no primeiro tempo, acorda e dá ótimo passe para o futuro papai. Neymar chuta e marca o primeiro gol santista.

Danilo não aparecia muito no ataque, pois estava muito preocupado e dedicado na marcação do craque argentino, que joga para os uruguaios, Martinuccio. Quando decidiu apoiar o ataque, deu no que deu, gol. Sua dedicação defensiva foi recompensada. No minuto de número 23, bela jogada do lateral, pela direita, passa pelo marcador e chuta no canto oposto, belo gol. O tri já estava na mão! Fato confirmado por Léo: "Ninguém tira"!

O Santos passou a se defender e tentar segurar o jogo para não dar margem de reação do tinhoso Peñarol, time com bom retrospecto fora de casa. 

Aos 34 minutos, Durval desvia chute de Estoyanoff e coloca para dentro. Gol contra para o Peñarol. Isso apenas para dar mais dramaticidade ao fim do jogo, mas não tinha como tirar o titulo desses meninos.

Esse jogo marcou também a despedida de Zé Eduardo do elenco santista. Era visível o seu desejo em marcar um gol pelo menos, não precisava ser o do titulo, mas pelo menos um! Chance para isso ele teve, no entanto, deve ter fechado os olhos. A bola sobrou na pequena área, o gol livre e ele não conseguiu cabecear. Fato que ficou em segundo plano, pois o Santos é campeão!   

AGORA É COMEMORAR...

Fim de jogo...

O grande campeão Pelé desce ao gramado e se mistura a nova geração de jogadores do Peixe. O que ele fez a 46 anos, 09 meses e 09 dias, voltou a repetir nessa noite, mas como torcedor ilustre.

O Santos é Tricampeão da Libertadores da América...

Que venha o Barça!!!

domingo, 19 de junho de 2011

ROGÉRIO SEGURA E MANTEM SÃO PAULO 100%

São Paulo sente a falta de Dagoberto, Rogério Ceni segura tudo e mantém o tricolor na ponta com 100% de aproveitamento. Em cinco jogos o Tricolor não conheceu nenhuma derrota, marcou nove vezes e sofreu apenas um gol. Campanha digna de campeão.

O Ceará iniciou a partida indo para cima do líder, até os sete minutos o São Paulo não havia conseguido chegar próximo ao gol defendido por Fernando Henrique. O vovô imprimia uma verdadeira correria, principalmente pelo lado direito com as investidas do lateral Diego Macedo que preocupou o defensor Juan.

Mas tudo isso era muito pouco para um time que precisava vencer, poi não chutava a gol. Jogando em casa, diante de sua torcida e apenas quatro pontos na tabela que lhe dá a decima sétima colocação, tinha que ir para cima. 

O Ceará abusava das jogadas de linha de funda, mas, quase sempre, na hora do cruzamento, a execução não era das melhores e dava chances ao Tricolor de se safar.

O São Paulo equilibra a partida aos nove minutos com Marlos, que passou, juntamente com Lucas, a dar mais opção ao meio campo, voltando para buscar a bola. Em jogada pela direita, o atacante invade a área e chuta, mas a bola desvia em Sacoman e vai pela linha de funda. O juiz marca apenas tiro de meta.

Aos treze minutos começou o show do melhor goleiro de país, Rogério Ceni. 

O vôzão sai em contra ataque rápido, Thiago Humberto acha Osvaldo pela direita, ele avança e chuta. Rogério Ceni bem colocado, faz ótima defesa e coloca para escanteio. 

O jogo era bonito, bem jogado, o Ceará se lançava ao ataque e dava o contra ataque aos velocistas do Tricolor. Lucas e Marlos alternavam, ora pela direita, ora pela esquerda. 

O Ceará buscava de qualquer maneira o primeiro gol e vai para cima do São Paulo.

Enquanto isso, no Canindé, o Palmeiras abre o placar contra o Avaí. George Lucas desvia a cobrança de escanteio e joga contra o patrimônio.

Na pressão do Ceará, em jogada pela direita, Osvaldo é derrubado por Xandão. O juiz marca penalidade máxima. O próprio Osvaldo vai para a cobrança. Rogério Ceni catinga e tenta desconcentrar o batedor. Osvaldo corre para bola, chuta, mas Rogério faz grande defesa. Uma defesa espetacular.

No minuto de número 21, tanto em Fortaleza quanto no Canindé, o Palmeiras chegava ao segundo gol. Cicinho toca para o meio da área, Lincoln faz o corta luz e deixa a bola limpa para Luan, que só tem o trabalho de empurrar para marcar o segundo gol.

A defesa praticada por Rogério Ceni dá moral ao Tricolor, que parte para cima do Ceará e passa a dominar as ações da partida. Em uma desses ataques, Fernando Henrique pratica ótima defesa e livra o vovô. Mas aos 35 minutos, tanto esforço do time Paulista foi recompensado em gol. Marlos avança pela esquerda, dá dois dribles em seu oponente e chuta, chuta fraco, mas o suficiente para marcar o primeiro gol do Tricolor.

Saiu o gol do São Paulo e cinco minutos depois foi a vez do Verdão marcar o terceiro. Luan mais uma vez. O atacante avança, ganha do zagueiro e chuta cruzado para marcar. O Palmeiras estava bonito na frente.

Após o gol, o Tricolor perdeu mais um jogador para o confronto contra o Timão no próximo domingo. Juan faz falta em Osvaldo e leva o terceiro amarelo.

Fim do primeiro tempo e o São Paulo vai para os vestiários na frente do marcador.

Opá! Já ia me esquecendo. O Palmeiras marcou mais um, o quarto gol. E dessa vez não foi um gol, foi um "golão". Kleber, dá entrada da grande área vê o goleiro adiantado o suficiente para ele chutar no alto e marcar o quarto gol palmeirense. Passeio no Canindé.

A volta para o segundo tempo não teve nenhuma alteração, mas o Ceará voltou a jogar pressionando. Encurralou o São Paulo no campo de defesa e produziu um verdadeiro bombardeio ao gol Tricolor. Vendo isso do bando de reserva, o comandante P. C. Carpegiane tratou de se mexer, mas em minha opinião mexeu mal. Saca Marlos e coloca em seu lugar Bruno Uvini. Por que?

Mais uma vez, como aconteceu no primeiro tempo, o Ceará pressionou até os 8 minutos, mas sem exito, deixou o Tricolor equilibrar. Aos dez minutos, Henrique recebe dentro da área e chuta. Fernando Henrique se estica e com a ponta dos dedos faz ótima defesa. 

Aos quatorze minutos, Vagner Mancini tira Eusebio e coloca mais um atacante. Washignton entra para formar dupla com Yarlei.

Rogério volta a aparecer com mais uma ótima defesa. Dessa vez Osvaldo tenta encobrir o goleiro, que pratica uma bonita defesa e coloca para escanteio.

Aos vinte minutos, Vagner Mancini propõe mais uma substituição. Não sei se por cansaço de Yarlei, o técnico o tira e coloca um volante. Se foi por cansaço, tudo bem, mas se foi por opção tática, que ele me perdoe, mas foi uma burrada. Recompor o meio pra que, se o time perdia o jogo e estava no abafa, buscando o empate. Mas o castigo veio a galopadas e com velocidade.

Lucas recebe passe e invade a área com velocidade. Tira um zagueiro e o goleiro da jogada para marcar o segundo gol. Um golaço!!

Aos vinte e seis, quase sai o terceiro em ótima cobrança de falta, cobrança ensaiada. No lance seguinte, Rodrigo Souto faz falta, recebe o terceiro amarelo e está fora da próxima partida.

O São Paulo ficou no quase, mas o Verdão marcou o seu quinto e último gol diante do Avaí. Pênalti para o Verdão, a torcida pede para Marcos bater e marcar seu primeiro gol com a camisa palmeirense. Seria uma boa forma de homenageá-lo por tudo que representa na história do verdão. Felipão vai contra os pedidos da torcida e pedi para Kleber bater. Sendo assim, Kleber marca o seu segundo gol na partida. Palmeiras 5 x 0 Avaí. Puxa vida! Bem que poderia ter saído o sexto gol, mas ficou nisso mesmo.

O Ceará chega, mas a carroça desgovernada para diante do grande Rogério Ceni. Heleno chuta de fora da grande área, a bola tinha endereço certo, o angulo, mas Rogério se estica todo e coloca para escanteio. E quando não conseguiu chegar, a trave o ajudou.

Bola levantada na área Tricolor, Washington se antecipa a zaga e cabeceia. Rogério ficou parado e só olhou para ver a bola acertar sua trave esquerda, Uhhh!!! Bons goleiros também precisam de sorte.

Lembra que comentei no início da postagens que a campanha do São Paulo é digna de campeão. A torcida entrou na onda e antes do termino da partida passou a gritar: "O Campeão voltou, o campeão voltou..." e incentivou um toque abusado da parte de Lucas, que passou a fazer jogadas de efeito. 

O Ceará teve mais volume de jogo em grande parte da partida. Mas nos últimos jogos o São Paulo vem dando espaço para o seu adversário e quando tem chance, marca e mata o jogo. A eficiência e a grande partida de Rogério Ceni garantiram o resultado para o São Paulo.

sábado, 18 de junho de 2011

EM TOM DE PALPITE: 5ª RODADA BRA-11

O Tom de Bola lança a sorte mais uma vez e tentar acertar os resultados dos jogos da quinta rodada do Brasileirão 2011. Nessa rodada teremos um jogo a menos, pois a partida entre Santos e Corinthians será realizada no dia 10 de agosto. Isso por que o Santos pediu adiamento da partida para ter mais tempo para se preparar para a final da Libertadores da América. 

Deixe o seu comentário com os seus palpites e vamos ver quem mais acerta.


Resultados:
Fluminense 0 x 1 Bahia
América 1 x 1 Cruzeiro
Palmeiras 5 x 0 Avaí
Flamengo 0 x 0 Botafogo
Grêmio 1 x 1 Vasco
Figueirense 2 x 0 Atlético - PR
Ceará 0 x 2 São Paulo
Atlético - MG 2 x 2 Atlético - GO
Coritiba 1 x 1 Internacional

quinta-feira, 16 de junho de 2011

SANTOS PASSA ILESO PELO VULCÃO


O Estádio Centenário era um verdadeiro vulcão. Quase 60 mil torcedores estiveram presentes para ver a primeira partida das finais da Taça Libertadores da América. A equipe santista entrou em campo e avistou os jogadores no gramado se aquecendo, fato que ficou em segundo plano, quando olharam para as arquibancadas.

O vulcão parecia que havia mudado de lugar, pois os torcedores aqueceram o interior do estádio com sinalizadores e a grande empolgação. Que torcida linda!!

O Santos dá o pontapé inicial e o Peñarol parte para cima logo de cara, imprimindo forte marcação, mas sem ser desleal. Os brasileiros se retraem no campo de defesa e deixa o Peñarol tocar a bola até o meio, no entanto, quando chegava, o Santos dava o bote e buscava o contra-ataque.

Nenhuma das equipes estava a fim de ficar atrás, mas o Santos se viu obrigado a jogar no contra-ataque. O Peñarol não tinha técnica e sua principal estrela estava apagada. Martinuccio não conseguiu atuar da mesma forma que em outras partidas, ficou perdido entre os zagueiros, errou muitos passes e os passes em sua direção não colaboravam.

Neymar muito bem marcado e sem identidade (pois até o Arnaldo César “Lebre” trocou seu nome por Nilmar diversas vezes durante a transmissão da Rede Globo), só começou a aparecer na partida, após levar cartão amarelo por (suposta) simulação em lance que levou um “soco” em partes que ele não pode falar.

Quando Neymar apareceu, o Santos foi perigoso e quase marcou em três oportunidades. Em uma delas, a bola acerta o travessão.

O Peñarol seguia aos trancos e barrancos. De certo modo imprimiu uma pressão, mas sem frutos, sem levar perigo real ao gol do tranqüilo Rafael.

No segundo tempo o Santos assume outra postura e passa a tocar mais a bola, como havia alertado Elano, antes de descer para os vestiários. Onde o meia disse que o time precisa fazer a bola passar de uma lado para o outro e dificultar a marcação do Peñarol.

Com a nova proposta, o Santos consegue chegar mais ao gol adversário. Mas em duas ótimas oportunidades de gol, Zé Love mostrou por que não foi transferido para a Europa.

O cara perdeu não uma, mas duas ótimas oportunidades. Numa delas, pensei que era Neymar que estava com a bola, à finta que deu para tirar o zagueiro, foi de mestre, mas o arremate foi de “Zé Love”.

Os lances serviram para acordar o vulcão e no “abafa” o Peñarol passou a acuar o Santos em seu campo de defesa e dominar as iniciativas da partida. Isso por que os uruguaios viam que a cada minuto que passava era menor a chance de buscar pelo menos um gol e ir para São Paulo precisando de apenas um empate para ser hexa.

De tanta insistência chegou ao seu golzinho, mas não valeu.

No minuto de número 40, Alonso desvia um chute cruzado e marca. Tristeza que durou pouco tempo no cantinho reservado aos santistas. O suspiro de alivio foi mais demorado e intenso que a comemoração dos uruguaios.

Em minha opinião: ótimo resultado para os santistas, que podem se considerar 75% mais próximo do terceiro título Continental. Por outro lado, o que pode preocupar os brasileiro é o retrospecto dos uruguaios.

Na fase “mata-mata” empataram em um gol contra o Internacional de Porto Alegre e fora de casa surpreendeu. Fez o resultado em casa contra o Universidad Católica, perdeu fora, mas ficou com vaga por saldo de gol. Contra o Vélez, venceu a primeira e jogando fora ficou com a vaga por conta do gol na casa do adversário.

Não é um time brilhante, mas é perigoso, tem raça e vai jogar no contra ataque diante do Santos no Pacaembu.

O Santos deu um grande passo, mas não tem nada ganho.

domingo, 12 de junho de 2011

CORINTHIANS: WILLIAN BRILHA NO PRIMEIRO TEMPO E JULIO CESAR NO SEGUNDO

Em um domingo que a transmissão dos jogos do Brasileiro disputava com a conclusão da corrida da Formula 1, onde a sequencia de vitórias de Sebastian Vettel foi quebrada na última volta por Jenson Button. Esse resultado foi conhecido após o termino das partidas, pois a corrida ficou paralisada por duas horas por conta da forte chuva que caia no GP do Canadá. 

Antes de começar a partida com cinco minutos de atraso, os responsáveis pela narração das partidas dá satisfação ao publico, dizendo que a globo não estava tentando nenhuma manobra para retardar o início das partidas. Isso deve-se ao fato de alguns meios de comunicação de emissoras concorrentes estarem alegando que a grande Rede Globo estava fazendo de tudo para retardar o início das partidas para a conclusão da transmissão de Galvão Bueno.

Tudo resolvido, hino nacional respeitado, comprimentos entre os envolvidos na partida e mais retardamento. Mas dessa vez não foi a Globo, mas sim um homenagem a um dos ex-presidentes do Timão, Wadih Helu. O também advogado faleceu na terça-feira, 07.

Vamos para o jogo. O Timão contava com a presença de Liédson e Jorge Henrique, que até sexta-feira eram duvidas para o confronto. Danilo, homem questionado pela torcida, mas de confiança do técnico Tite e na ausência de Chicão, foi o capitão. Acho que a responsabilidade trouxe de volta o bom futebol do meia. Não foi uma grande apresentação, mas se achou em campo e de seus pés saiu o cruzamento do primeiro gol.

Seis minutos, jogada pela esquerda, Danilo cruza no primeiro pau, Willian se antecipa ao zagueiro e marca o primeiro gol do Timão. Na comemoração, o atacante se declara a sua esposa, em alto e bom som aproveitando o dia dos namorados. Com o gol confirma a boa fase e o namoro com a Fiel Torcida.

O Fluminense não conseguia sair com a bola, a marcação do Corinthians era muito forte e eficiente. Sem a bola os corintianos voltavam e combatiam as investidas do adversário antes do meio campo. O Corinthians dominava a partida e não deixava o Fluminense jogar. Sempre marcando com dois jogadores, quando a bola passava pelo primeiro, a cobertura era de imediato.

Mas no minuto de número 23, o Fluminense apareceu e Julio Cesar se mostrou disposto a disputar posição com Renan e mostrou que saiu na frente. Conca cobra escanteio, Gum cabeceia e obriga Julio a praticar ótima defesa.

Mas atacantes corintianos eram voluntariosos e voltavam para a marcação. Várias vezes vi Willian na lateral, fazendo a cobertura de Welder, Liédson combater no meio, Jorge Henrique nem se fala e Danilo levou até amarelo pela vontade que se traduziu em falta.

Com a bola nos pés, o Corinthians tocava com muita rapidez, Jorge Henrique aberto pela esquerda e Willian pela direita deram muito trabalho aos defensores tricolores. Mas a jogada do segundo gol saiu pelo meio.

Paulinho recebe, avança e da entrada da grande área chuta forte. O goleiro do Flu não segura, Liédson tenta sair da marcação para pegar o rebote, mas é seguro e derrubado, pênalti!

Quem bate?

Willian está com muita moral. Fazendo uma analise, os candidatos para a cobrança da penalidade eram: Fábio Santos, pois alterna as cobranças de falta e pênaltis com Chicão, o batedor oficial; Liédson, pois foi ele quem sofreu o pênalti, mas disse que não cobra!

Só que a moral é muita, sendo assim, Willian para a bola, chutou é GOOOLLLL! É o cara do jogo, sem dúvida, pensaria o corintiano. Calma, ainda tem o segundo tempo.

Fim do primeiro tempo, o Corinthians vai para o vestiário com ótima vantagem e deixou o rojão na mão de Abelão, que estreava no comando do Fluminense.

No retorno para os últimos 45 minutos da partida, Abel Braga tira Edinho e coloca Sousa, tentando dar mais mobilidade a equipe, que já havia perdido em criação com a saída de Deco ainda no primeiro tempo. O meia sentiu um problema muscular no cobrança de um escanteio e deu lugar a Marquinho.

Com a alteração e a mudança de postura do time Paulista, o Fluminense passou a dominar a partida e levar perigo ao gol de Julio Cesar. Logo com um minuto de jogo, Souza cobra, ninguém desvia e Julio Cesar pratica ótima defesa. 

O domínio no primeiro tempo pelo lado corintiano no segundo foi trocado pela administração da partida. Só que essa administração era perigosa e chamava o Fluminense para o ataque. Julio Cesar foi muito exigido e mostrou o seu valor. Aos 12 minutos, Conca chuta de fora da área e mais uma vez o goleirão faz boa defesa.

Abel se mexe no banco e trata de colocar um herói em campo. Rafael Moura "HE-MAM", herói da partida anterior com dois gols entra em campo. Como Tartá é um atacante que sai muito, Abelão tentou fixar dois atacantes na área e apostar nas bolas aéreas. 

Mas essas jogadas de linha de funda não surtiam efeito e a defesa corintiana cortava todas. O herói não resolveu e não fez boa partida.

Em mais uma cobrança de falta, Marquinho rola para Sousa, que chuta para mais uma boa defesa de Julio Cesar.

Aos 35 minutos, o Fluminense perde folego e para de pressionar e deixou para o Timão o direito de administrar com calma a partida. Com a vitória conquistada o Corinthians se mantem vice-liderança e só voltará a campo no próximo dia 26, quando enfrentará o líder São Paulo.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

EM TOM DE PALPITE: 4ª RODADA BRA-11

Confira os meus palpites e deixe um comentário com os seus para a quarta rodada do Brasileirão 2011.

RESULTADOS DA 4ª RODADA
Avaí 2 x 2 América - MG
Cruzeiro 1 x 1 Santos
São Paulo 3 x 1 Grêmio
Vasco 1 x 1 Figueirense
Bahia 1 x 1 Atlético - MG
Atlético - GO 4 x 1 Ceará
Internacional 2 x 2 Palmeiras
Corinthians 2 x 0 Fluminense
Atlético - PR 1 x 1 Flamengo
Botafogo 3 x 1 Coritiba

quinta-feira, 9 de junho de 2011

VASCAMPEÃO DA COPA DO BRASIL


Em campo estavam as duas últimas equipes vencedoras do Brasileiro da Serie B. Vasco foi campeão em 2009 e o Coritiba venceu a edição de 2010.

O mesmo deseja pairava sobre as duas equipes e respectivamente também para suas torcidas. O Coxa foi Campeão Paranaense com 100% de aproveitamento e na Copa do Brasil jogou em alto nível e precisava voltar a vencer um torneio nacional. A primeira e única vez que levantou o caneco foi em 1985, quando o time era comandado pelo pai do carrasco Alecsandro. Lela marcou um dos gols de pênalti contra o Bangu.

O Vasco não deixou de levantar títulos, mas em alto nível nacional a última vez foi em 2000. Ano em que conquistou três títulos: Copa Mercosul, Carioca e Brasileiro (Copa João Havelange). Numa final desastrosa, pois a queda da arquibancada e a tentativa do então dirigente Eurico Miranda de dar seqüência à partida manchou um campeonato idealizado sob muita polêmica. Mas isso é assunto para outro dia.

O jogo entre Coritiba e Vasco debaixo de um frio de 10º graus apenas, mas começa pegando fogo. As duas equipes indo para o ataque com muita vontade, que muitas vezes resumia-se em faltas. Para o Coritiba, ficar atrás era suicídio, trouxe na bagagem o resultado que não lhe dava o luxo de se defender apenas. Mas os ataques eram desordenados, pois contava com apenas um atacante e três volantes. O meio estava bem povoado e tentando se segurar, mas...

O Vasco consegue ultrapassar a barreira. Diego Souza recebe a bola e com ela a marcação de três jogadores do Coxa, mas com um toque milimétrico, deixa Eder Luiz em ótima para o cruzamento. Como um verdadeiro ponta direita, vai ao fundo e toca para o meio da área, que encontra Alecsandro. O atacante toca e corre para o abraço. Na comemoração, sai sacudindo o dedo (da mesma forma que o Fenômeno). Disse que foi homenagem ao seu filho. Mas nunca vi o filho dele jogar e muito menos comemorar desse jeito! Vasco 1 a 0, mas valia por 3 a 0.

A barulhenta torcida verde e branca deixa o frio tomar conta e se encolhe. O Coxa vai para o tudo ou nada, precisava marcar três gols para ficar com o título.

Com duas jogadas bem parecidas, mas de conclusões diferentes, o time chega e vira a partida. Bola virada da esquerda para a direita, a defesa se confunde, Bill e Davi se aproveitam e marcam. Coritiba 2 a 1, mas valia por 2 a 3. Precisava de mais um. O tempo reduz e o primeiro tempo chega ao fim.

No segundo tempo, o Coxa era só ataque e encurrala o Vasco em seu campo de defesa. A torcida com seus gritos de incentivos, arrepiava até quem não torce para o Coxa. Festa muito bonita e de arrepiar, mas não era de frio!

Muito frio e piorou quando o Vasco em um dos poucos contra ataque deu um banho de água gelada.

Doze minutos de jogo no segundo tempo e em um chute não muito forte, mas “com efeito” e a ajudinha de Edson Bastos, Eder Luis marca o segundo gol do Vasco. Vasco 2 a 2, mas valia por 4 a 2.

Isso significava que o Coxa precisava fazer em pouco mais de 33 minutos, o que não fez em 90, em São Januário.

A torcida fazia sua parte, cantava, vibrava e empolgava. O time em campo correspondia com correria, determinação e garra, mas não conseguia vencer o bloqueio cruz-maltino.

O Vasco sofre o terceiro gol, em belo chute de Willian, aos 21 minutos. Golaço!

Daí em diante o sofrimento vascaíno é multiplica por pouco mais de 33.000, pois era o número aproximado de apaixonados pelo Coxa que gritavam para empurrar o time em busca do quarto gol. Os jogadores buscavam de todas as maneiras esse gol, que garantiria o título.

O jogo fica mais brigado e a cada falta para o Vasco, era uma novela para que a partida se reiniciasse. Quando a falta era para o lado oposto, o reinicio era quase de imediato. As reposições de bola, por parte dos gandulas, foram perfeitas e rápidas. A ponto de jogadores receberem as bolas em mãos.

Mas o Vasco segura o resultado e fica com o título inédito. 

O Vasco não foi brilhante nessa partida, marcou o segundo gol por falha do goleirão. Mas o que fez a diferença foi o resultado em seus domínios, jogou com o regulamento debaixo do braço. Mais uma vez esse regulamento decide o campeonato.

CAMPANHAS:

Club de Regatas Vasco da Gama
Comercial – MS 1 x 6 Vasco (1ª Fase)
ABC 0 x 0 Vasco (2ª Fase)
Vasco 2 x 1 ABC (2ª Fase)
Náutico 0 x 3 Vasco (Oitavas)
Vasco 0 x 0 Náutico (Oitavas)
Atlético – PR 2 x 2 Vasco (Quartas)
Vasco 1 x 1 Atlético – PR (Quartas)
Vasco 1 x 1 Avaí (Semi)
Avaí 1 x 2 Vasco (Semi)
Vasco 1 x 0 Coritiba (Final)
Coritiba 3 x 2 Vasco (Final)

Coritiba Foot Ball Club
Ypiranga – RS 0 x 1 Coritiba (1ª Fase)
Coritiba 2 x 0 Ypiranda – RS (1ª Fase)
Atlético – GO 1 x 2 Coritiba (2ª Fase)
Coritiba 3 x 1 Atlético – GO (2ª Fase)
Coritiba 4 x 0 Caxias – RS (Oitavas)
Caxias – RS 0 x 1 Coritiba (Oitavas)
Coritiba 6 x 0 Palmeiras (Quartas)
Palmeiras 2 x 0 Coritiba (Quartas)
Ceará 0 x 0 Coritiba (Semi)
Coritiba 1 x 0 Ceará (Semi)
Vasco 1 x 0 Coritiba (Final)
Coritiba 3 x 2 Vasco (Final)

terça-feira, 7 de junho de 2011

RONALDO: A ÚLTIMA VOLTA

Noite fria, quinze graus apenas, chuva forte, muito vento e transito por toda a cidade de São Paulo pareciam querer estragar a festa preparada para o Fenômeno Ronaldo, no Pacaembu. Local que foi sua casa nos últimos dois anos, marcou 23 gols e também levantou uma Taça de Campeão Paulista Invicto de 2009 pelo Corinthians.

Sem dúvida, o lugar no Brasil que mais lhe proporcionou alegrias.

E nessa noite o prazer foi todo nosso. Ronaldo, muito obrigado por nos proporcionar mais quinze minutos de alegria com o seu futebol. Mesmo perdendo três chances claras de gol, mas ele tem créditos para gastar.

Tantas e tantas voltas deu em sua vida para vencer situações adversas, mas dessa vez a volta foi para receber as honras de uma carreira construída sobre muitas dificuldades. Voltas dadas com muita habilidade sobre oito lesões, onde o mundo diagnosticava o fim de sua carreira. Mas não se intimidou e provou que é guerreiro e retribuiu esses diagnósticos com muito futebol e títulos.

A Seleção Brasileira entra em campo para disputar um jogo amistoso contra a Romênia. A torcida chegava aos poucos por conta dos problemas pós-chuva em São Paulo.

O Brasil jogava contra a desconfiança e insatisfação do torcedor, mas os problemas ficaram em segundo plano por conta do espetáculo mais aguardado. A despedida!

Pressão do Brasil para cima dos romenos e antes do momento mais esperado da noite, os presentes ao Pacaembu e que acompanhavam em casa (se não faltou energia elétrica) viram uma boa movimentação do ataque. Composto por Neymar mais aberto pela direita, Fred centralizado, Robinho pela esquerda e Jadson na articulação, que deram muito mais volume de jogo.

As chances foram aparecendo, mas os torcedores não estavam tão preocupados com o jogo. O grande barato da noite era a despedida do homem.

Antes do ápice da partida, o arbitro deixou de assinalar pênalti claro sobre Jadson e marcou falta. Na excussão da jogada, Fred chuta longe do gol. O atacante corria contra o tempo para mostrar serviço ao Mano e garantir vaga na Copa América.

Neymar ainda teve grande oportunidade, mas isolou a bola e perdeu. Aos 15 minutos de partida, a rede Globo lançou no telão imagens do vestiário, onde Ronaldo se preparava para entrar. Vendo o grande ídolo, a torcida começou a gritar: “Ronaldo, Ronaldo, Ronaldo!” “O Ronaldo vem ai e o bicho vai pegar”.

Fred vendo que seu tempo estava se esgotando, passou a se infiltrar mais na área e pedir a bola. Até que seu esforço foi premiado, nove minutos antes de sua substituição. Belo passe de Jadson para Neymar, que tira o zagueiro e toca para Fred empurrar para dentro do gol. Na comemoração, não podia ser diferente, homenagem ao “cara”.

Pronto! Tudo certo! Agora o Fenômeno pode entrar e assumir a festa!

Aos 28 minutos, Ronaldo surge no túnel e os 30.059 apaixonados por futebol e admiradores foram ao delírio. Nesses dois minutos que permaneceu a beira do gramado, a galera era pura euforia.

Trinta minutos. Sobem as placas: sai o 19 (Fred) e entre o R9. Antes de pisar o pé fora do gramado, Fred reverencia o ídolo e o deixa entrar sobre fortes aplausos.

Ronaldo em campo e os dez jogadores brasileiros passaram a jogar em função do craque. Bola em domínio dos brasileiros! Cadê Ronaldo! Todos procuravam.

Sentindo-se muito à vontade com a amarelinha, não demorou muito para que se encontrar na partida. Toda bola que passava pelos seus pés era acompanhada com a vibração da torcida.

No minuto de número trinta e cinco, creio que o Brasil inteiro lamentou a chance perdida. Bola para Neymar que com um passe por baixo das pernas do marcador e encontra Ronaldo livre de marcação. Na finalização com um toque sutil, tenta tirar o goleiro Tatarusanu, que pratica ótima defesa.

Ronaldo estava muito bem em campo e aos 39 minutos, mais uma bola para o craque. Robinho e Neymar tabelam, bola na esquerda para Ronaldo, que conclui mal e perde mais uma boa chance. Todos queriam a consagração do craque com um gol.

Antes do fim do jogo e de sua história com a seleção, Ronaldo teve mais uma boa oportunidade. Ele mesmo aciona Neymar pela direita, o “sucessor” retorna a bola para o “mestre”, que chuta cruzado, mas o goleirão estava a fim de entrar para história as custas de Ronaldo. Mais uma bela defesa.

Quarenta e sete minutos do primeiro tempo, o juiz apita o fim da primeira etapa e o ciclo de Ronaldo com a seleção Canarinho.

Antes de seu discurso, deu sou última volta como jogador. Ao redor do campo, garotos seguravam banners com informação sobre os gols marcados em Copa do Mundo.
1º Gol – 16 de junho de 1998 – Contra o Marrocos
2º e 3º Gols – 27 de junho de 1998 – Contra o Chile
4º Gol – 07 de julho de 1998 – Contra os Países Baixos
5º Gol – 03 de junho de 2002 – Contra a Turquia
6º Gol – 08 de junho de 2002 – Contra a China
7º e 8º Gols – 13 de junho de 2002 – Contra a Costa Rica
9º Gol – 17 de junho de 2002 – Contra a Bélgica
10º Gol – 26 de junho de 2002 – Contra a Turquia
11º e 12º Gols – 30 de junho de 2002 – Contra a Alemanha
13º e 14º Gols – 22 de junho de 2006 – Contra o Japão
15º Gol – 27 de junho de 2006 – Contra Gana.

Em seu discurso passou a bola, a responsabilidade de seu sucesso para todos os Brasileiros e admiradores. Foi mais uma vez humilde em pedir desculpas por perder três chances claras de gol e deixou o Brasil engrandecido com suas palavras: “Gente, vocês são demais!”

Tivemos a era Pelé, pós Pelé; era Romário, pós Romário; era Ronaldo e agora passaremos para uma nova era, pós Ronaldo.

ERA PÓS RONALDO
Voltando para o segundo tempo, em uma nova era. A seleção não empolgou como nos quinze minutos em que Ronaldo estava no gramado. Os romenos buscavam o empate, tocava bem a bola, mas na conclusão a gol não eram perigosos.

Já os brasileiros chegavam, mas abusavam em perder oportunidades e deixaram os números do primeiro tempo. Brasil 1 x 0 Romênia.

Era nítida a falta que um homem de armação. Pensando nisso, Mano Menezes convocou para a Copa América, mesmo voltando de contusão, Paulo Henrique “Ganso”.

Falando em convocação, vamos ver os “manos do Mano!”:

Goleiros: Julio César (Inter de Milão) e Victor (Grêmio)
Laterais Dir: Daniel Alves (Barcelona) e Maicon (Inter de Milão)
Laterais Esq: André Santos (Fenerbahçe) e Adriano (Barcelona)
Zagueiros: David Luiz (Chelsea), Lúcio (Inter de Milão), Luisão (Benfica) e Thiago Silva (Milan)
Volantes: Ramires (Chelsea), Lucas Leiva (Liverpool) e Sandro (Tottenham)
Meias: Elano (Santos), Elias (Atlético de Madri), Ganso (Santos), Jadson (Shakhtar Donetsk) e Lucas (São Paulo)
Atacantes: Fred (Fluminense), Pato (Milan), Neymar (Santos) e Robinho (Milan)

O Brasil estréia no dia 03/07 às 16hs, na Ciudad de la Plata, contra a Seleção da Venezuela.

domingo, 5 de junho de 2011

CORINTHIANS SÓ EMPATA NA DESPEDIDA DE PETKOVIC

Corinthians vai ao Engenhão encarar o Flamengo, em jogo que marcou a despedida de Petkovic dos campos de futebol. Festa armada, homenagens e tudo para ser um jogo com vitória rubro-negra. O Corinthians venceu seus dois primeiros compromissos, mas não apresentou aquele futebol de encher os olhos. Então tudo estava propenso a uma vitória rubro-negra.

A festa era deles, mas o Corinthians inicia a partida com ímpeto, parte para cima do Mengão e com menos de um minuto de jogo, William e Liédson obrigam o goleiro Felipe a fazer duas defesas. O Timão entrou em campo com uma postura muito ofensiva, marcava a saída de bola e forçava o adversário ao erro. 

Por diversas vezes o Mengão tocava, tocava, mas não tinha evolução nas jogadas. Com isso o erro de passe era eminente. 

O Corinthians se aproveitava muito bem dessa ineficiência do meio campo Rubro-negro. Ronaldinho estava preso entre a forte marcação e não recebia nenhuma boa bola para a construção de alguma jogada. Por outro lado, as poucas vezes que Pet tocou na bola, via-se uma evolução e passes com mais qualidade. 

No meio campo, o Corinthians contava com a "lentidão" de Danilo, que por mais de uma vez dormiu no ponto e perdeu bolas bobas. “Não vejo a hora de Alex estrear”. Jorge Henrique se encontrou novamente e fez um primeiro tempo muito bom, em seu primeiro lance, recebeu de Danilo e chutou. A bola bateu na rede pelo lado de fora. Mais uma grande chance do Timão em menos de seis minutos.

O Flamengo tinha mais a posse de bola. Aos 17 minutos, as estatísticas apontavam que os donos da casa tinham 65% contra 35% de posse de bola. Mas como posse de bola não quer dizer nada. O estreante provou isso em bela jogada pela direita, Welder passou pelo marcador e deu um belo passe para Willian. O atacante antecipou-se ao zagueiro e só desviou para marcar o primeiro gol do jogo.

A torcida do Mengão que era só euforia pela festa em homenagem a Pet e o fato do Vasco estar tomando uma sonora goleada de 3 a 0 do Coritiba. Se calou e nem comemorou o quarto gol que sairia na sequência. 

Welder que chegará ao clube após o termino do Campeonato Paulista, mostrou que tem qualidade e vai incomodar o intocável Alessandro na disputa pela vaga da lateral direita.

O Timão jogava bem, marcava e não deixava o Mengão jogar. Toda falta que acontecia a favor dos donos da casa, a torcida pedia que Pet cobrasse. Ele estava cobrando todas, mas em algum momento teria que ser trocado o batedor. 

A primeira grande jogada de perigo a favor dos cariocas saiu exatamente dos pés do dono da festa. Pet toca na passagem de Vanderley. Júlio Cesar sai e na batida pratica grande defesa, impedindo o gol de empate.

Welder levava perigo em suas subidas ao ataque e em uma desses apoios, fez grande jogada sobre Egidio, que o derruba. Bom de bola esse menino, vai dar trabalho.

Mas aos 39 minutos, Ronaldinho é derrubado por Fábio Santos. Pet vai para a bola e quando todos imaginavam que ele cobraria, só ameaçou. Renato foi para a bola e com um chute "maravilhoso", acertou o ângulo de Julio Cesar, que nada pode fazer. GOLAÇO!!!

Com o jogo em igualdade o arbitro encerra o primeiro tempo. E com o fim do primeiro tempo se encerrou a carreira desse grande jogador que atende pelo nome de Petkovic.

QUEM É?
Nome: Dejam Petkovik
Nascido em 10 de setembro de 1972 na cidade de Majdanpek, Iugoslávia.
Jogou no Radnicki Nis (IUG), Estrela Vermelha (IUG), Real Madri (ESP), Sevilha (ESP), Racing Santander (ESP), Vitória (BRA), Venezia (ITA), Shanghai Shenhua (CHN), Vasco (BRA), Al-Ittihad (ARA), Fluminense (BRA), Goiás (BRA), Santos (BRA), Atlético - MG (BRA) e Flamengo (BRA).
Pelo Flamengo, onde encerrou sua carreira, jogou 199 jogos e marcou 57 gols (em duas passagens)

Depois da homenagem prestada. As duas equipes voltam para o gramado. No lugar de Pet, como já era esperada sua substituição, entra Negueba. Foi a unica alteração, mas em minha opinião, não precisava acontecer, pois o Pet estava jogando muito bem e não aparentava cansaço. No entanto, o garoto que foi destaque na conquista da Copa SP de Juniores, entrou muito bem e deu trabalho ao Corinthians.

Logo no início, antes dos 10 minutos, Julio Cesar e Felipe trabalham muito bem e impedem gols em bolas alçadas nas áreas. Os goleiros praticaram belíssimas defesas. 

Liédson sente dores e pede substituição, pensei que entraria o Sheik, mas o técnico Tite faz uma alteração inesperada e mata o poder ofensivo do Timão. Tira o levezinho e proporciona a estreia de Edenílson. Entrou muito bem, mas o Timão perdeu referencia no ataque e seu poder ofensivo.

O outro estreante continuava dando trabalho pela direita e deixando uma enorme pulga atrás da orelha do contundido Alessandro. 

O Flamengo mudou a maneira de jogar e Ronaldinho passou a buscar mais o jogo no meio campo. As duas equipes mais abertas e mais espaços. Ronaldinho dá belo passe para Diego Mauricio, que entrou muito bem aos 14 minutos do segundo tempo. Mas o atacante chuta na rede pelo lado de fora. O Mengão tinha mais as iniciativas da partida.

Em um lance no meio campo, Ronaldinho recebe falta de Leandro Castan e na sequência quase acerta o zagueiro do Timão com uma solada. Falando no zagueiro, que bela partida, matou todas as possibilidades de avanço dos Cariocas, usou bem suas armas contra as jogadas de Ronaldinho e seus companheiros.

Corinthians e Flamengo chegaram aos 29 minutos sem produzir muito, mas aos 30, William recebe bom passe de Paulinho, mas no arremate a bola vai, mais uma vez, na rede pelo lado de fora.

No minuto seguinte, Ronaldinho responde a altura. Quero dizer: "responde rasteiro".

Chuta rasteiro da entrada da grande área, a bola vai à trave. Que susto!

Emerson Sheik precisava estrear e Jorge Henrique dá uma forcinha. Sente dores e pede substituição. Tite atende e coloca mais um estreante em campo. 

Quando pisou o pé no gramado, a torcida Rubro-negra o recepciona com uma grande vaia. E em cada lance que a bola ia para os seus pés, a vaia era maior. Estranho! Ele não cantou uma musica referente ao Mengão quando jogava no Fluminense?

Vaias deixadas de lado, aos 40 minutos, o atacante faz bela jogada e passa para o outro estreante, Edenilson chuta, mas Willians desvia de cabeça e impede o segundo gol corintiano. O Timão passa a exercer pequena pressão e em um escanteio. Bola na área, Leandro Castan desvia e Felipe opera milagre com uma ótima defesa.

Fim de jogo e empate em 1 a 1. Para o Timão é ótimo, que soma sete pontos e fica na ponta provisoriamente ao lado de Palmeiras. 

Ah! Mais uma coisa. Fim de jogo no Couto Pereira, e o Vasco foi humilhado pelo placar de 5 a 1. Quase se igualou ao Palmeiras, que foi desclassificado com uma derrota por 6 a 0. Cuidado Vascão! Quarta-feira tem mais e vale título.