quinta-feira, 9 de junho de 2011

VASCAMPEÃO DA COPA DO BRASIL


Em campo estavam as duas últimas equipes vencedoras do Brasileiro da Serie B. Vasco foi campeão em 2009 e o Coritiba venceu a edição de 2010.

O mesmo deseja pairava sobre as duas equipes e respectivamente também para suas torcidas. O Coxa foi Campeão Paranaense com 100% de aproveitamento e na Copa do Brasil jogou em alto nível e precisava voltar a vencer um torneio nacional. A primeira e única vez que levantou o caneco foi em 1985, quando o time era comandado pelo pai do carrasco Alecsandro. Lela marcou um dos gols de pênalti contra o Bangu.

O Vasco não deixou de levantar títulos, mas em alto nível nacional a última vez foi em 2000. Ano em que conquistou três títulos: Copa Mercosul, Carioca e Brasileiro (Copa João Havelange). Numa final desastrosa, pois a queda da arquibancada e a tentativa do então dirigente Eurico Miranda de dar seqüência à partida manchou um campeonato idealizado sob muita polêmica. Mas isso é assunto para outro dia.

O jogo entre Coritiba e Vasco debaixo de um frio de 10º graus apenas, mas começa pegando fogo. As duas equipes indo para o ataque com muita vontade, que muitas vezes resumia-se em faltas. Para o Coritiba, ficar atrás era suicídio, trouxe na bagagem o resultado que não lhe dava o luxo de se defender apenas. Mas os ataques eram desordenados, pois contava com apenas um atacante e três volantes. O meio estava bem povoado e tentando se segurar, mas...

O Vasco consegue ultrapassar a barreira. Diego Souza recebe a bola e com ela a marcação de três jogadores do Coxa, mas com um toque milimétrico, deixa Eder Luiz em ótima para o cruzamento. Como um verdadeiro ponta direita, vai ao fundo e toca para o meio da área, que encontra Alecsandro. O atacante toca e corre para o abraço. Na comemoração, sai sacudindo o dedo (da mesma forma que o Fenômeno). Disse que foi homenagem ao seu filho. Mas nunca vi o filho dele jogar e muito menos comemorar desse jeito! Vasco 1 a 0, mas valia por 3 a 0.

A barulhenta torcida verde e branca deixa o frio tomar conta e se encolhe. O Coxa vai para o tudo ou nada, precisava marcar três gols para ficar com o título.

Com duas jogadas bem parecidas, mas de conclusões diferentes, o time chega e vira a partida. Bola virada da esquerda para a direita, a defesa se confunde, Bill e Davi se aproveitam e marcam. Coritiba 2 a 1, mas valia por 2 a 3. Precisava de mais um. O tempo reduz e o primeiro tempo chega ao fim.

No segundo tempo, o Coxa era só ataque e encurrala o Vasco em seu campo de defesa. A torcida com seus gritos de incentivos, arrepiava até quem não torce para o Coxa. Festa muito bonita e de arrepiar, mas não era de frio!

Muito frio e piorou quando o Vasco em um dos poucos contra ataque deu um banho de água gelada.

Doze minutos de jogo no segundo tempo e em um chute não muito forte, mas “com efeito” e a ajudinha de Edson Bastos, Eder Luis marca o segundo gol do Vasco. Vasco 2 a 2, mas valia por 4 a 2.

Isso significava que o Coxa precisava fazer em pouco mais de 33 minutos, o que não fez em 90, em São Januário.

A torcida fazia sua parte, cantava, vibrava e empolgava. O time em campo correspondia com correria, determinação e garra, mas não conseguia vencer o bloqueio cruz-maltino.

O Vasco sofre o terceiro gol, em belo chute de Willian, aos 21 minutos. Golaço!

Daí em diante o sofrimento vascaíno é multiplica por pouco mais de 33.000, pois era o número aproximado de apaixonados pelo Coxa que gritavam para empurrar o time em busca do quarto gol. Os jogadores buscavam de todas as maneiras esse gol, que garantiria o título.

O jogo fica mais brigado e a cada falta para o Vasco, era uma novela para que a partida se reiniciasse. Quando a falta era para o lado oposto, o reinicio era quase de imediato. As reposições de bola, por parte dos gandulas, foram perfeitas e rápidas. A ponto de jogadores receberem as bolas em mãos.

Mas o Vasco segura o resultado e fica com o título inédito. 

O Vasco não foi brilhante nessa partida, marcou o segundo gol por falha do goleirão. Mas o que fez a diferença foi o resultado em seus domínios, jogou com o regulamento debaixo do braço. Mais uma vez esse regulamento decide o campeonato.

CAMPANHAS:

Club de Regatas Vasco da Gama
Comercial – MS 1 x 6 Vasco (1ª Fase)
ABC 0 x 0 Vasco (2ª Fase)
Vasco 2 x 1 ABC (2ª Fase)
Náutico 0 x 3 Vasco (Oitavas)
Vasco 0 x 0 Náutico (Oitavas)
Atlético – PR 2 x 2 Vasco (Quartas)
Vasco 1 x 1 Atlético – PR (Quartas)
Vasco 1 x 1 Avaí (Semi)
Avaí 1 x 2 Vasco (Semi)
Vasco 1 x 0 Coritiba (Final)
Coritiba 3 x 2 Vasco (Final)

Coritiba Foot Ball Club
Ypiranga – RS 0 x 1 Coritiba (1ª Fase)
Coritiba 2 x 0 Ypiranda – RS (1ª Fase)
Atlético – GO 1 x 2 Coritiba (2ª Fase)
Coritiba 3 x 1 Atlético – GO (2ª Fase)
Coritiba 4 x 0 Caxias – RS (Oitavas)
Caxias – RS 0 x 1 Coritiba (Oitavas)
Coritiba 6 x 0 Palmeiras (Quartas)
Palmeiras 2 x 0 Coritiba (Quartas)
Ceará 0 x 0 Coritiba (Semi)
Coritiba 1 x 0 Ceará (Semi)
Vasco 1 x 0 Coritiba (Final)
Coritiba 3 x 2 Vasco (Final)

2 Comentários:

  1. Parabéns ao Vasco, mas tenho que admitir que estava torcendo pelo Coxa!

    Abraço

    http://www.gremista-sangueazul.com/

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ao Vasco, mas tenho que admitir que estava torcendo pelo Coxa!

    Já não era sem tempo..

    abç.

    ResponderExcluir