quinta-feira, 23 de junho de 2011

SANTOS TRICAMPEÃO CONTINENTAL 1962 - 1963 - 2011

A data era 11 de setembro de 1963, ano em que o Santos de Pelé derrubava a torre chamada Boca Juniors e conquistava o seu Bicampeonato continental. Um ano antes contra esse mesmo Peñarol, o Santos também de Pelé conquistava o seu primeiro titulo. 

Foram necessários 17451 dias para que a torcida "Jovem" voltasse a comemorar um titulo da desejada Libertadores da América. Os santistas lotaram e pintaram o Pacaembu de branco, muito barulho e confiança estampada e declarada. A mesma confiança que imperou em 2003, quando era liderado por Robinho e encarou o Boca Juniors. Mas dessa vez a confiança se traduziu em um enorme detalhe: o titulo!

No banco um cara muito contestado em disputas de Libertadores. Muricy Ramalho foi demitido do São Paulo justamente por não conseguir o titulo continental. Deixou o Fluminense, justamente por não fazer boa campanha na competição desse ano. Chegou ao Santos em um dos piores momentos na competição. O time estava em péssima situação na tabela e precisa reagir com urgência. 

Chegou, colocou ordem na casa e foi logo dando o cartão de visita. Conquistou o titulo Paulista!

Na Libertadores, esse "cara" arrumou a casa, colocou a molecada nos eixos e deu ritmo de jogo ao Santos. Mostrando que é o melhor técnico do país, não importa o time que tenha nas mãos. Isso é notório, pois os títulos conquistados pelo São Paulo, Shanguai Shenhua (China), Náutico, Internacional, São Caetano, Fluminense e, agora, Santos falam por ele. É vencedor!

Se com times com menos estrelas, o cara já fez milagre, imagine o que conseguiria com uma equipe que conta com Ganso, Elano, Arouca e, principalmente, Neymar. Podemos dizer que é covardia!

Ganso voltando a campo depois de quarenta e cinco dias se recuperando de uma lesão, foi o maestro desse time. Cada bola que ele pegava, tínhamos a sensação de que poderia sair um bom passe. Jogador que pensa antes de ter a bola em seus pés. Muito inteligente. E tinha pessoas dizendo que não era aconselhável coloca-lo logo como titular. Que isso?

Elano só tem um defeito, esses balões que sempre dá nas partidas, desperdiçando boas jogadas, mas é um líder nato. Diferente de 2003, quando era um menino da vila, hoje é o líder dos meninos da Vila. E hoje sem ter a responsabilidade de armar jogadas, fez uma boa partida.

Arouca dormiu no primeiro tempo, no entanto, acordou cedo no segundo tempo e fez a diferença, deixando Neymar em condições de marcar o primeiro gol.

Neymar... deixa pra lá... não vou ser repetitivo ao menciona-lo... vocês já sabem o que penso sobre o garoto..

UM POUCO DO JOGO...

Não adiantou o Peñarol pressionar, bater e catimbar. 

O jogo começou muito pegado. Cada pedaço de gramado era disputado com unhas e escamas. Em dois lances do primeiro tempo, caberia um vermelho para cada lado. Mas o juizão preferiu administrar a partida e não apresentou nenhum cartão, mas poderia tira-lo do bolso.

O primeiro tempo foi marcado por muitos erros de passes do Santos e o time uruguaio despachando a bola com balões para o campo de ataque. Chance real de gol, apenas um para o lado alvinegro, em bola chutada da entrada da grande área por Léo, aos 43 minutos de jogo.

O segundo tempo o Santos acorda e logo de cara faz o gol que daria tranquilidade para trabalhar o resto da partida. Ganso, com sua genialidade, dá um bonito toque de letra para Arouca. O volante, que dormiu no primeiro tempo, acorda e dá ótimo passe para o futuro papai. Neymar chuta e marca o primeiro gol santista.

Danilo não aparecia muito no ataque, pois estava muito preocupado e dedicado na marcação do craque argentino, que joga para os uruguaios, Martinuccio. Quando decidiu apoiar o ataque, deu no que deu, gol. Sua dedicação defensiva foi recompensada. No minuto de número 23, bela jogada do lateral, pela direita, passa pelo marcador e chuta no canto oposto, belo gol. O tri já estava na mão! Fato confirmado por Léo: "Ninguém tira"!

O Santos passou a se defender e tentar segurar o jogo para não dar margem de reação do tinhoso Peñarol, time com bom retrospecto fora de casa. 

Aos 34 minutos, Durval desvia chute de Estoyanoff e coloca para dentro. Gol contra para o Peñarol. Isso apenas para dar mais dramaticidade ao fim do jogo, mas não tinha como tirar o titulo desses meninos.

Esse jogo marcou também a despedida de Zé Eduardo do elenco santista. Era visível o seu desejo em marcar um gol pelo menos, não precisava ser o do titulo, mas pelo menos um! Chance para isso ele teve, no entanto, deve ter fechado os olhos. A bola sobrou na pequena área, o gol livre e ele não conseguiu cabecear. Fato que ficou em segundo plano, pois o Santos é campeão!   

AGORA É COMEMORAR...

Fim de jogo...

O grande campeão Pelé desce ao gramado e se mistura a nova geração de jogadores do Peixe. O que ele fez a 46 anos, 09 meses e 09 dias, voltou a repetir nessa noite, mas como torcedor ilustre.

O Santos é Tricampeão da Libertadores da América...

Que venha o Barça!!!

2 Comentários:

  1. O Santos mereceu a vitória, jogou melhor, tinha mais time, e merecidamente conquistou o Tricampeonato. O que mais marcou a partida mesmo foi a pancadaria no fim do jogo, será que isso nunca vai mudar?
    Técnico Muricy, o mais vencedor do futebol brasileiro.
    Agora, no Mundial de clubes, sem dúvida será muito, mas muito mais difícil, mas Neymar e Ganso podem decidir.

    Abraço
    http://www.gremista-sangueazul.com

    ResponderExcluir
  2. O Santos foi campeão merecidamente,essa geração de Neymar e C&a tinha que entrar para a história.

    Abraços!

    http://fluminensetricolorguerreiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir