domingo, 16 de dezembro de 2012

MUNDIAL DE CLUBES: O MONSTRO, O GUERREIRO E O MESTRE

E aí galera Apaixonada por Futebol!

A manhã de domingo (16/12) foi um das mais saborosas dos últimos anos para (nós) os torcedores corintianos, a conquista do Bicampeonato Mundial foi a cereja do bolo de uma gestão marcada por acertos e muito profissionalismo. Quem diria que o Corinthians seria, após passar pela Serie B do Brasileiro, o melhor time do mundo? Pois é, hoje após vencer o Chelsea, fincou sua bandeira no cume do mundo.

Ao termino da partida, além de comemorar muito, visitei alguns lugares da região onde moro e o orgulho corintiano era mensurado pelo número de torcedores trajando os mantos alvinegros. Um verdadeiro desfile, camisas brancas, pretas, listradas, roxas, cinzas, grená, comemorativas e de todas as épocas que podemos imaginar.
Mas tudo isso só foi possível por causa, em especial, de dois jogadores e seu mestre: Cássio, o monstro, Guerrero, o peruano, e Tite, o mestre.

O grande (em altura e qualidade) goleiro Cássio  assumiu a vaga depois de Júlio Cesar falhar em partida diante do Ponte Preta que resultou na eliminação do Timão no Campeonato Paulista. Seu primeiro jogo foi diante do Emelec pela Libertadores e não decepcionou a comissão técnica e, principalmente, a torcida. Contra o Vasco foi sua consagração, após defesa em chute de Diego Souza.

Na final do Mundial foi o grande responsável pelo título, não fosse suas ótimas defesas, o Corinthians voltaria do Japão da mesma forma que o Santos, com muitos gols na sacola e o vice campeonato que não vale nada. Fernando Torres, maior vitima das defesas de Cássio, sofrerá com pesadelos onde Frankenstein (apelido de Cássio) será o principal personagem.

Cássio realmente foi um monstro, fez jus ao apelido e garantiu o título. Não bastasse o título, foi considerado o melhor jogador da final e do campeonato Mundial de Clubes. 

Terceiro melhor jogador do Campeonato, José Paolo Guerrero entrou de cabeça e com ela marcou os dois únicos gols do Timão no torneio. Com o tento da final, entrou para galeria dos gols mais importantes da história do clube ao lado de Basílio (Paulista 1977), Tupãzinho (Brasileiro 1990) e Emerson Sheik (Libertadores 2012). 

Marcador dos três últimos gols do time no ano (contra São Paulo, Al Ahly e Chelsea), chegou desacreditado e com a missão de substituir Liedson que caiu de produção no meio do ano. A final do Mundial foi apenas a décima sétima partida que Guerrero fez com o manto corintiano, conquistou o segundo título Mundial para o clube e já caiu nas graças da fiel.

Não é genial em suas jogadas, mas mostra vontade, garra, determinação, oportunismo e, como disse em sua apresentação, provou que "vai a campo para ganhar sempre".

Muitos questionam a qualidade do Mestre Tite, mas acredito que os últimos feito desse excelente treinador, cala a boca de qualquer crítico que pense proferir palavras contraditórias ao seu mérito e currículo. No comando do Timão, levantou as taças do Brasileiro-11, Libertadores-12 e Mundial-12, transformou um punhado de jogadores contestados em um elenco forte e vencedor.

Enxergou no momento exato que deveria trocar o goleiro e mudar o esquema tático, passando a atuar com um jogador entre os zagueiros adversários e quando todos pediam o retorno do esquema de jogo da Libertadores, sem um homem de referencia, preferiu apostar em Guerrero e deu no que deu. Timão Bicampeão Mundial de Clubes da FIFA.

1 Comentários:

  1. boa tarde Clériston Mello, parabéns pelo blog, estou iniciando o meu, como faz pra cadastrar nos blogs do associado, alias muito boa a iniciativa, ja tive a oportunidade de parabenizar o Cleber Soares, também... Abraço

    www.assuntodofutebol.com.br

    ResponderExcluir